faceralis

 

banner curso Prancheta-1

WRC

mikkelsen(POR RICARDO NASCIMENTO)

Muito calor e muito pó, marcaram este primeiro dia em pisos de terra que foi super competitivo, com três lideres diferentes, cinco pilotos a vencerem troços em seis possíveis e os primeiros sete pilotos a estarem separados por 12,8s.

Apesar de estar a conhecer o Hyundai, mas com uma boa posição de partida, Andreas Mikkelsen passou para a liderança no fim da manhã após ter vencido o terceiro troço. Baixou para segundo no inicio da tarde, mas conseguiu recuperar a primeira posição logo de seguida e terminar o primeiro dia como líder.

Primeiro na estrada, Sébastien Ogier acertou nas escolhas de pneus e não cometeu erros. O francês rodou a maior parte do dia em terceiro, mas a vitória na derradeira especial do dia, fez com que subisse para segundo a 1,4s de Mikkelsen.

Kris Meeke esteve em boa forma ao mesmo ritmo dos mais rápidos, vencendo a segunda especial, mas perdeu alguns segundos com um pião no final da penúltima especial. Mesmo assim, o britânico terminou o dia em terceiro a 3,0s do líder e a 1,6s de Ogier.

Ott Tänak foi o primeiro líder, mas os pneus não se comportaram bem no troço maior, perdendo a liderança. À tarde, o estónio não esteve muito confiante, mas ainda subiu à quarta posição no derradeiro troço, estando a 6,3s do primeiro lugar.

Mads Østberg esteve todo o dia irritado com o muito pó dentro do Fiesta WRC, tornando a visibilidade muito fraca e um calor abrasador no interior da viatura. Apesar deste contratempo, o norueguês esteve sempre bem colocado e até chegou a liderar, mas a derradeira especial foi a pior de todas, caindo para quinto a 7,1s do outro norueguês.

Dani Sordo optou pelos pneus menos adequados nos troços matinais, melhorando um pouco à tarde nas segundas passagens. O herói local manteve-se na sexta posição com mais 10,8s do que Mikkelsen.

Jari-Matti Latvala não esteve muito bem durante a manhã, com a escolha de pneus menos adequada e algo desconcentrado ao mesmo tempo, a fazer passagens de caixa muito cedo. O finlandês venceu o primeiro troço da tarde, mas uma forte pancada por baixo do Yaris, provocou danos graves no sistema de lubrificação, resultando em nova desistência e não vai regressar amanhã.

Thierry Neuville também não escolheu bem os pneus durante a manhã, perdendo quase 18s para o mais rápido na primeira passagem por Terra Alta. O belga esteve melhor à tarde, mas só conseguiu subir à sétima posição após o abandono de Latvala, a 12,8s do seu novo companheiro de equipa.

Juho Hänninen passou a ser o melhor piloto da Toyota, mas terminou o dia em oitavo a mais de 30s do líder, depois de não se entender com pneus duros nas especiais espanholas.

Stéphane Lefebvre esteve lento e nunca se sentiu confiante nos pisos de terra, mas amanhã no asfalto, poderá ser outra história para o francês.

Esapekka Lappi ficou sem travões na primeira passagem por Terra Alta, perdendo quase 50s para o mais rápido. O finlandês não foi além da décima posição, mas está só a 3,3s de Lefebvre.

Elfyn Evans não se entendeu com os DMACK no primeiro dia, em especial nos 38,95km de Terra Alta, onde perdeu imenso tempo.

Eric Camilli e Ole Christian Veiby são os primeiros entre os R5, mas é Teemu Suninen quem lidera confortavelmente o WRC2, com mais de 1 minuto de vantagem para Simone Tempestini. Por outro lado, Jan Kopecký não estava satisfeito com a organização, por não terem aceite o pedido do checo em ter um intervalo de partida maior, para não seguir no pó de Jourdan Serderidis que o fez perder muito tempo.

VENCEDORES DE TROÇOS:
Ott Tänak (1): Kris Meeke (2); Andreas Mikkelsen (1); Jari-Matti Latvala (1); Sébastien Ogier (1)
LÍDERES DO RALLY:
Ott Tänak (SS1 a 2); Andreas Mikkelsen (SS3); Mads Østberg (SS4); Andreas Mikkelsen (SS5 a 6)

PRINCIPAIS ABANDONOS:
10 Jari-Matti Latvala / Miikka Anttila (FIN) Toyota Yaris WRC (derrame de óleo antes da SS6)
40 Hiroki Arai / Glenn MacNeall (J/AUS) Ford Fiesta R5 (capotou na SS3)
86 Max Vatanen / Jacques-Julien Renucci (FIN/F) Ford Fiesta R5 (SS2)

CLASSIFICAÇÃO PRIMEIRO DIA
espanhadis117

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

catalunhaFotos: Tiago Fonseca (Proíbida a reprodução de fotos sem indicação da fonte)
Evento: Rali da Catalunha 2017
Data: Outubro 2017
Site: www.ralisonline.net

 

wrc2018O promotor do Mundial de Ralis já definiu o calendário para 2018, com a novidade a ser a intregação do Rali da Turquia.

Será a 10ª prova do Mundial de Ralis de 2018, substituindo a Polónia, argumento o promotor do Mundial de Ralis que a Turquia é uma grande produtor de automóveis, onde se produzem carros da Toyota, Ford e Hyundai.

Será um dos mais compactos ralis da história do Mundial de Ralis, com muitas especiais a começarem e a terminarem perto do parque de assistência.

O Rali da Turquia será disputado entre Marmaris e as montanhas perto de Mugla, com especiais de média velocidade alternado com outras mais duras.

O Rali de Portugal será a 6ª prova do Calendário, disputando entre 17 e 20 de maio. Já apontaste na agenda?

andreasAndreas Mikkelsen assinou um contrato válido para 2018 e 2019 com a Hyundai para o Mundial de Ralis.

O piloto da Noruega diz-se encantado com esta oportunidade de realizar duas épocas completas, que lhe irão permitir lutar pelos título mundial de pilotos e de marcas.

A Hyundai anunciou que os três atuais pilotos, Neuville, Paddon e Sordo estaão sobre contrato para 2018.

c3r5Criada pela Federação Internacional do Automóvel (FIA) em 2013, a regulamentação R5 provocou o aparecimento de toda uma nova geração de carros de ralis. Destinados às equipas e pilotos privados, estes produtos de custos controlados são frequentemente apelidados de "mini WRC", em muito devido aos seus dados técnicos: quatro rodas motrizes, motor 1.6 turbo com injeção direta e cerca de 280 cv, caixa de velocidades sequencial, etc.

O sucesso da categoria é também explicado pela sua universalidade, dado que os R5 lutam pela vitória no WRC2, no Europeu de Ralis (ERC) e na maioria dos campeonatos nacionais. Pilar do restabelecimento da gama de modelos Competição Cliente da Citroën Racing, o C3 R5 irá, em breve, juntar-se a essas batalhas!

"Foi dado um passo importante esta semana com os primeiros testes de desenvolvimento de uma viatura que está já muito próxima de um produto final," explica Yves Matton, Diretor da Citroën Racing. "O caderno de encargos dado às equipas técnicas é claro: queremos que o Citroën C3 R5 se torne na referência da sua categoria, tanto em termos de performance, como em fiabilidade e no controlo dos custos operacionais.Para criar um produto 100% novo, recorremos a toda experiência da Citroën Racing no WRC, acrescentando-lhe o contributo de fornecedores técnicos de referência, como a Sadev no domínio da transmissão ou a Reiger nas suspensões. Os nossos pilotos oficiais também estarão envolvidos nesse processo de desenvolvimento, estando Stéphane Lefebvre e Craig Breen a conduzi-lo neste primeiro teste, tal como Yoann Bonato, o actual líder do Campeonato da França."

A conceção do Citroën C3 R5 iniciou-se há cerca de um ano. Para além do trabalho realizado pelo gabinete de estudos e cálculos, muitos dos seus componentes mecânicos foram testados, desde o início do ano, em condições reais, nomeadamente através de veículos-laboratório rolantes.

"Nesta primeira saída com uma viatura completa, estamos já muito perto da definição final que será proposta aos clientes. Esses testes realizam-se em terra, num terreno suficientemente variado que permita testar a robustez e iniciar o desenvolvimento das configurações de base", explica Pierre Budar, Diretor de desenvolvimento de veículos de Competição Cliente. "Há uma ligação directa entre o C3 R5 e C3 WRC. Por exemplo, a gaiola do roll-bar de ambos foi projetada pelo mesmo engenheiro. Algumas soluções são partilhadas, embora adequadas às restrições regulamentares e a uma produção em pequenas séries. Também o motor foi desenvolvido em casa, a partir de uma base decorrente do bloco de série, que garantisse o melhor potencial de performance e fiabilidade. Também procuramos trabalhar com os melhores fornecedores, para que, em conjunto, conseguíssemos obter um produto homogéneo, capaz de satisfazer as ambições dos clientes que irão escolher o Citroën C3 R5."

Após esta primeira sessão de testes, a Citroën Racing irá continuar o desenvolvimento do C3 R5, na terra e em pisos de asfalto, para que se possa rapidamente adaptar aos diferentes perfis dos pilotos a que se destina, tornando-se num produto verdadeiramente polivalente. A sua homologação junto da FIA terá lugar em 2018.

RALIS ONLINE TV