faceralis

 

ANUARIO123

Nacional

ecbA última Assembleia Geral da Escuderia Castelo Branco reconduziu António Sequeira como Presidente da organização por mais dois anos. O atual presidente vê, em conjunto com toda a equipa, o reconhecimento do trabalho realizado e projeta a conclusão dos projectos que o clube tem a decorrer. Prova disso é a consensual votação que deu novo voto de confiança à actual estrutura que tem comandado os destinos da Escuderia Castelo Branco.

Para o próximo biénio, a nova equipa liderada por António Sequeira já definiu as suas prioridades. A primeira é trabalhar para concluir o Parque de Desportos Motorizados. O investimento substancial que este complexo sofreu nos tempos mais recentes não está concluído e é necessário fazê-lo. “Queremos que a nossa acção se torne ainda mais abrangente, seja com o kartódromo, seja com o terreno de sprint enduro, seja com a escola de enduro ou com a pista de todo-o-terreno. Pois outro lado, vamos apostar na criação de condições para receber todos os clientes, e garantir que mesmo aqueles que não venham praticar nenhuma destas modalidades tenham um espaço agradável do qual possam desfrutar”, explicou o recém reeleito Presidente da Escuderia Castelo Branco, António Sequeira.

Por outro lado, a organização albicastrense está muito concentrada na organização de eventos desportivos. A Escuderia Castelo Branco é uma instituição que concretiza iniciativas de âmbito nacional e internacional e quer continuar dessa forma. “Temos competições dos principais campeonatos nacionais e regionais no automobilismo e nacionais e internacionais no motociclismo. Trabalhamos para os manter e queremos voltar ao enduro nacional”, sublinha o responsável.

A Escuderia Castelo Branco, sediada na capital da Beira Baixa, mantém como um dos seus propósito a promoção da região em que se insere, mas não se escusa a levar o nome da cidade para outras latitudes. É por isso que o clube albicastrense vai, já este ano, colocar no terreno uma baja do Campeonato de Portugal de Todo-o-Terreno com base operacional em Torres Vedras. Por outro lado, assume a sua condição de organização ibérica com a disponibilidade cada vez maior de receber espanhóis, seja nas suas provas, seja no Parque de Desportos Motorizados.

“A Escuderia Castelo Branco é uma associação do Interior de Portugal que tem procurado valorizar toda a região. Bons exemplos disso são as inúmeras competições que organizamos anualmente e que atraem pilotos das mais variadas proveniências, seja em Portugal, de outras zonas do mundo. Com o desenvolvimento do Parque de Desportos Motorizados, queremos fazer o mesmo e, por força da proximidade com Espanha, trabalhar com maior proximidade dos “neutros hermanos”, afirmou António Sequeira.

armindvenrpArmindo Araújo / Luís Ramalho estiveram ao mais alto nível no Rali de Portugal, controlando toda a prova, que comandaram do primeiro ao derradeiro troço, vencendo ainda a Power Stage, o que permitiu subir à liderança do Campeonato de Portugal de Ralis.

O campeão nacional geriu bem os pneus e o seu andamento, depois de um início ao ataque, mas não se pode dizer que tenha tido uma margem confortável para gerir os acontecimentos face aos seus adversários, até porque Bernardo Sousa / Vitor Calado chegaram a estar a 4,7s da liderança a duas especiais do fim.

Aliás, a dupla madeirense, já com outro ritmo, deu-se bem com o ambiental mundialista desta prova, sendo o mais direto adversário de Armindo Araújo. Bernardo Sousa acabaria por perder muito tempo no troço de Mortágua, mas o segundo lugar é excelente nesta fase da temporada, após uma excelente exibição.

Com uma elevada expetativa a recair sobre si, Ricardo Teodósio (com José Teixeira aos eu lado) não teve um rali fácil. Má escolha de pneus na primeira secção e uns travões menos colaborantes, não permitiram ao vencedor da primeira prova do CPR, ter a prestação que desejava, pelo que o terceiro lugar acaba por ser um resultado que embora não lhe permita manter-se na liderança do nacional, a verdade é que o mantém completamente dentro da corrida do título.

Bruno Magalhães / Carlos Magalhães tiveram uma prova muito difícil. O Hyundai teve problemas com as barras estabilizadoras e a equipa teve ainda uma penalização de 30s, que lhes retirou o pódio nesta prova. O 4º lugar não é o melhores dos resultados, mas também não deixa de ser bom para o campeonato nesta fase da competição.

Nota menos para Miguel Correia /António Costa, não só pelo tempo menos bom na primeira especial do rali, mas sobretudo pela saída de estrada logo no segundo troço, não conseguindo esta dupla confirmar o bom resultado no Rali Terras D´Aboboreira.

No quinto lugar terminou Paulo Neto / Vitor Hugo depois de uma prova a um ritmo mais baixo que os seus adversários, mas beneficiando da melhor forma das adversidades alheias, para fazer um excelente resultado.

Quanto a José Pedro Fontes / Inês Ponte tiveram também uma prova para esquecer, depois de um capotanço logo na fase inicial do rali. Com o C3 R5 em mas condições, Fontes arrastou-se pelos troços, perdendo muito tempo, mas somando mesmo assim os pontos de um sexto lugar.

COMANDANTES SUCESSIVOS
Armindo Araújo (Pec 1 a 8)

VENCEDORES DOS TROÇOS
Armindo Araújo (5); Bernardo Sousa (3)

CLASSIFICAÇÃO FINAL
rpclasf21

peugeotSegunda prova da PEUGEOT RALLY CUP IBÉRICA 2021, o Vodafone Rally de Portugal está de regresso ao calendário da iniciativa coorganizada pela PEUGEOT Portugal e PEUGEOT Espanha, com a logística da Sports & You, representando um dos pontos altos da presente Temporada 4.

Tal como no primeiro rali do ano, são 17 os PEUGEOT 208 Rally4 inscritos, pelas mãos de outros tantos 'Leões' que, face a uma audiência mais representativa, pretendem dar maior visibilidade às suas competências ao volante. Apostando nas características de excelência desta criação da PEUGEOT Sport, terão pela frente 122,88 km cronometrados, ao acumulado das sete exigentes especiais em terra da região de Arganil, a que se junta a SuperEspecial de Lousada. Constituem a 1ª Etapa do nosso rali de maior importância, que serve, assim, de coluna vertebral à segunda prova da copa ibérica, num percurso total de 588,22 km que ligará Coimbra a Matosinhos.

Candidatas à vitória serão, por isso, as mesmas dez equipas espanholas, seis portuguesas e uma britânica que, no passado Rali Terras d'Aboboreira se entregaram a um muito competitivo conjunto de batalhas, tendo saído vitoriosa a dupla espanhola Óscar Palomo / José Pintor.

Depois da competitividade demonstrada pelos 17 PEUGEOT 208 Rally4 que alinharam no Rali Terras d'Aboboreira, os concorrentes aos títulos da PEUGEOT RALLY CUP IBÉRICA 2021 apontam, agora, baterias àquela que será a sua primeira prova mundialista, o Vodafone Rally de Portugal, que após um ano de ausência forçada pela pandemia, regressa ao calendário da Temporada 4 da iniciativa coorganizada pela PEUGEOT Portugal e PEUGEOT Espanha.

À semelhança do rali anterior voltam a ser 17 as equipas inscritas na prova lusa do WRC, todas as mesmas formações que, no triângulo entre Amarante, Baião, Marco de Canaveses, se entregaram a lutas pelos melhores tempos nos troços. No final do primeiro rali do ano, essa posição de destaque viria a ser conquistada pela dupla espanhola Óscar Palomo / José Pintor, batendo os portugueses Miguel Campos / Paulo Lopes e os seus conterrâneos Alberto Monarri / Ángel Vela por curtas margens, num demonstrativo equilíbrio registado na luta pelos lugares da frente.

Serão estas três duplas que terão, sobre si, a mira dos restantes 14 concorrentes aos títulos de Pilotos e Navegadores da PEUGEOT RALLY CUP IBÉRICA 2021, nomeadamente os que, por esta ordem, terminaram próximos dos três lugares do pódio, no caso os regressados Hugo Lopes / Tiago Neves e Pedro Almeida / Hugo Magalhães, respetivamente os 4ºs e 5ºs classificados no final do evento.

Perfilou-se, depois, a dupla Ruiari Bell / Gareth Parry, formação britânica que dividiu ao meio o restante plantel de pilotos e navegadores ibéricos, deixando atrás de si os estreantes Kevin Guerra / Daniel Sosa e os regulares Ricardo Sousa / Luis Marques e Carlos Fernandes / Valter Cardoso, numa classificação final deste primeiro rali do ano que se fechou com Álvaro Muñiz / Álex Noriega, Santiago García / Nestor Casal e Josep M Reyes / Carlos Cancela.

Quem quererá agora fazer bem melhor do que a exibição aí demonstrada serão Josep Bassas / Axel Coronado, a mais azarada das equipas, que se viu obrigada a abandonar o rali ainda no Shakedown, antes do mesmo ter ido para a estrada, ou os também espanhóis Alejandro Cachón / 'Jandrín', que foram os primeiros líderes do rali nortenho. A zero ficaram, também, Delbin García / Coral Barroso e Roberto Blach, que nesta prova tem José Murado como navegador, em substituição de José Vieitez, ou ainda a dupla Ernesto Cunha / Rui Raimundo que, no rali anterior e à última hora, abdicou da participação na copa, regressando agora ao convívio dos seus pares.

Aos comandos dos PEUGEOT 208 Rally4, máquina com assinatura PEUGEOT Sport e que regista elevados índices de competitividade e de fiabilidade, irão estar, assim, seis duplas portuguesas que, num rali em casa, quererão impor a sua regra aos cada vez mais aguerridos adversários espanhóis, dez no total, a que se soma um já experiente intruso de origem britânica.

armdrpO Skoda Fabia R5 Evo de Armindo Araújo e Luís Ramalho já está na estrada, rumo a Baltar, para realizarem o Shakedown da edição 2021 do Rali de Portugal que tem início hoje, quinta feira, e terminará no próximo domingo.

Com dois objetivos distintos para a prova organizada pelo ACP, Armindo Araújo espera "poder subir ao pódio, no domingo em Matosinhos, e sermos consagrados com a vitória no CPR e como o melhor piloto português. O nosso primeiro foco é claramente o das contas do Campeonato de Portugal de Ralis, que serão retiradas das especiais de classificação de sexta-feira, começou por dizer.

Na décima quinta participação no Rali de Portugal, o piloto de Santo Tirso, que por nove vezes foi o melhor português em prova, procurará alcançar novo número histórico para o seu palmarés. "Depois da primeira etapa, a nossa ambição será terminar o nosso rali como a melhor equipa portuguesa. Vamos lutar por conseguir chegar a mais esse título, que a acontecer, será o décimo da minha conta pessoal. Preparamo-nos bem para isso, e sabemos que não será uma missão fácil, mas vamos esperar que tudo nos corra bem", disse ainda Armindo Araújo.

teoDepois da entrada com o pé direito no Campeonato de Portugal de Ralis, triunfando no Rali Terras d'Aboboreira, a dupla Ricardo Teodósio-José Teixeira já se encontra em fase de preparação para o Rally de Portugal, segunda ronda da competição organizada pela Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting.

Ao volante de um Skoda Fabia Rally2 EVO, o algarvio apresenta-se com a ambição de lutar pela vitória na competição Nacional, da prova organizada pelo Automóvel Clube de Portugal. "O Rally de Portugal é uma prova diferente, mais desafiante, mais dura, mas também mais espetacular. Estamos confiantes que será possível manter o ritmo que impusemos na prova de abertura do Campeonato e vamos dar tudo por tudo para lutar pela vitória na competição nacional", começou por destacar o Campeão Nacional de Ralis 2019, antes de relembrar que: "nesta prova todos os detalhes contam. Vamos estar inseridos no pelotão do WRC3 e isso obriga-nos a, entre outras coisas, usar pneus de marca diferente do que usamos regularmente. Também por isso, teremos de ser mais rigorosos, cautelosos e pragmáticos, se quisermos alcançar um bom resultado."

Com o público a regressar aos eventos motorizados de forma oficial, José Teixeira deixa um apelo aos portugueses e adeptos de ralis: "Todos temos noção da ansiedade e vontade que existe em voltar a juntar os amigos e família em torno do nosso desporto. Mas não podemos descartar o facto da pandemia ainda não ter terminado. Há que gerir as emoções, respeitar as boas práticas definidas pelas autoridades de saúde e usufruir deste espetáculo único que é o Rally de Portugal. Numa prova onde se prevê um mar de público, relembramos também a importância com o ambiente, não deixando para trás o lixo e poluição. A organização disponibilizará sacos adequados para o efeito, para que, estejamos todos juntos nesta causa", lembrou.