faceralis

 

ANUARIO123

Nacional

306Sérgio Brás inaugura a sua temporada desportiva num evento marcante no panorama do automobilismo nacional. O piloto vai estar presente no RallySpirit Altice 2021, entre 3 e 5 de junho.

Uma prova mítica em Portugal e de renome internacional, que integra a restrito clube dos 'Slowly Sideways Europe', calendário de que fazem parte os Rally-Legend Eifel Rallye Festival, o Alsace Rallye Festival e Rallye Festival Francorchamps. "É fabuloso estar de volta à competição num evento com um figurino tão marcante e que constitui uma montra de alguns dos melhores exemplares alguma vez criados para os ralis mundiais", frisou.

Uma prova onde o piloto surge com uma máquina muito especial, um Peugeot 306 Maxi, com motor 2.0 a debitar 240 cv. "Estou muito feliz por estrear o carro nesta emblemática prova. Está aqui um ano de trabalho, com muitas horas e dedicação. Tinha apenas uma carroçaria Peugeot Sport, tudo o mais é novo. É uma réplica quase idêntica de um modelo histórico da Peugeot. Hoje em dia não é fácil conseguir peças, mas felizmente foi-nos possível fazer nascer este exemplar. O orgulho é imenso", afirmou, acrescentando: "Ao meu lado vou ter o Nuno Mota Ribeiro, a quem agradeço ter aceitado o convite para partilhar comigo esta aventura."

Uma prova que tem como centro nevrálgico Barcelos, mas que também irá passar pelas cidades de Vila Nova de Gaia e Porto. "O nosso objetivo é divertirmo-nos ao máximo em cada quilómetro, ao volante de um carro que está bem vivo na memória dos adeptos de ralis e que tenho a certeza que irá fazer vibrar o muito público presente."

Sérgio Brás deixa ainda uma palavra especial: "Agradeço a toda a minha equipa o trabalho e dedicação para tornar o Peugeot 306 Maxi uma realidade e a todos os meus patrocinadores, que são parte fundamental deste projeto."

castelobrancoplaca21O Rali de Castelo Branco vai para a estrada nos dias 12 e 13 de junho e abre a temporada de asfalto do Campeonato de Portugal de Ralis. A ronda organizada pela Escuderia Castelo Branco apresenta-se como o primeiro desafio do ano para os pilotos neste tipo de piso e um dos grandes pontos de interesse é saber quem será o sucessor de Armindo Araújo como vencedor da prova albicastrense.

O piloto do Skoda Fabia chega ao Rali de Castelo Branco com o título de campeão nacional conquistado em 2020 e como líder do campeonato de 2021, duas provas volvidas. Mas se estas se disputaram em pisos de terra, agora o asfalto pode ditar novo equilíbrio de forças entre os principais candidatos ao primeiro lugar.

Se desportivamente, o interesse pelo Rali de Castelo Branco é enorme, a Escuderia Castelo Branco preparou uma prova com um formato que já se revelou muito bem sucedido. Apesar das diversas tentativas, a organização não vai por na estrada a Super-Especial Reconquista, tal como já tinha acontecido em 2020. Numa fase em que o desconfinamento do país acontece de forma gradual, ainda não há condições para promover um momento de grande espectáculo, que se quer cheio de público, e garantir o total respeito das normas sanitárias.

Sem a Super-Especial Reconquista, o Rali de Castelo Branco vai ter sete provas especiais que se realizam ao longo de dois dias. As equipas que competem para o Campeonato de Portugal de Ralis vão percorrer cerca de 100 quilómetros contra o relógio e um total superior a 300 quilómetros nos concelhos de Castelo Branco e de Vila Velha de Ródão que, mais uma vez, apoiam, de forma incondicional, a realização desta prova que reúne os melhores pilotos nacionais na Beira Baixa.

A acção propriamente dita começa no sábado de manhã, com a realização da prova de qualificação. Após esse momento, os mais rápidos vão definir a posição de partida para a primeira etapa que se realiza, na região de Vila Velha de Ródão, nesse mesmo dia, à tarde.

No dia seguinte, os concorrentes sobem em latitude para mais quatro troços, em que o maior destaque vai para a Power Stage, na segunda passagem pela classificativa de Santo André das Tojeiras.

"A Escuderia Castelo Branco decidiu, perante a enorme incerteza que ainda se vive por força da pandemia, escolher um formato de rali muito semelhante ao do ano passado. O Rali de Castelo Branco em 2020 correu muito bem e sabemos que temos todas as condições para voltar a colocar na estrada uma prova bem sucedida. Infelizmente, ainda é cedo para voltar a realizar a sempre espectacular Super-Especial Reconquista, mas temos a certeza que, assim que for possível, a recuperaremos", afirmou o director do rali, Luís Dias.

Durante a apresentação da prova, o presidente da Escuderia Castelo Branco, António Sequeira, enalteceu "o imprescindível trabalho dos mais de 300 voluntários que colaboram na organização do Rali de Castelo Branco. Sem estes contributos abnegados, nada disto seria possível. Além disso, o apoio das câmaras de Castelo Branco e de Vila Velha de Ródão é extremamente importante e, só desta forma, é que a Escuderia consegue fazer do Rali de Castelo Branco um referência na modalidade a nível nacional".

O Rali de Castelo Branco pontua para, além do Campeonato de Portugal de Ralis, o Campeonato de Portugal de Ralis 2RM, para o Campeonato de Portugal de Clássicos de Ralis, para o Campeonato de Portugal Júnior de Ralis, para o Campeonato de Portugal de GT de Ralis, para a Taça de Portugal de Ralis RC2N, para o Campeonato Centro de Ralis e para o 4º Desafio Kumho Tyre. A nível internacional, o Rali de Castelo Branco valerá pontos para as seguintes competições espanholas: Copa Suzuki 2021, Dacia Sandero Rally Cup e Renault Clio Trophy Spain.

Filipe Madureira 1Filipe Madureira e Emanuel Gonçalves alinharam este fim de semana no Rali da Bairrada, ronda de abertura do Campeonato Portugal Clássicos de Ralis. Um evento em que a corrida começou ainda antes de o cronómetro estar a contar.

"Os imprevistos acontecem e não foi possível ter o Ford Sierra Cosworth pronto a tempo. Por isso, fomos 'à garagem' e improvisámos", brincou o piloto. E a escolha recaiu num Nissan Micra 1.3s ex-troféu, que contemplava uma particular curiosidade: "Este ano celebro 25 anos de carreira, precisamente a idade deste carro. Acaba por ser uma casualidade cheia de significado, pois é a primeira prova que faço nesta temporada tão especial", confessou.

O primeiro desafio do ano reservou aos concorrentes um total de seis especiais e 60.96 quilómetros ao cronómetro. Um evento onde o piloto extraiu ao máximo o potencial do seu carro: "Tirei partido dos 80 cv do nosso Micra. Obviamente que a potência colocou-nos algumas limitações, mas, ao mesmo tempo, permitiu-nos divertir e desfrutar de uma prova num registo bem diferente daquele que à partida tínhamos em mente", numa participação em que o resultado nunca esteve em equação: "Ainda assim terminámos em 7º nos Clássicos, o que acaba por ser positivo dado o contexto da nossa participação."

Para Filipe Madureira, ficou na retina um detalhe em particular: "O público. A presença de adeptos nos ralis era algo que nos deixava imensas saudades e que, felizmente, é novamente uma realidade. São eles a alma das corridas e nós pilotos sentimos isso dentro do carro. Foi muito bom e obrigado a todos pela presença", afirmou, acrescentando: "Um enorme obrigado também a todos os meus patrocinadores, foi mais uma vez um grande prazer poder voltar a representá-los ao cronómetro. Por outro lado, apesar de estar condicionado, senti-me sempre bem fisicamente, o que é também um bom indicador para futuros eventos."

A época prossegue já entre os dias 3 a 5 de junho, no RallySpirit Altice. "Aí estaremos de volta com o nosso Ford Sierra Cosworth. Vemo-nos lá", finalizou Filipe Madureira.

leoneO Rali de Castelo Branco que se vai realizar nos dias 12 e 13 de junho marca o regresso da dupla da Leone Racing Team.
Pedro Leone e Bruno Ramos garantem presença no Rali de Castelo Branco, prova pontuável para o Campeonato de Portugal de Clássicos de Ralis (CPCR), que uma vez mais vão disputar.

Pedro Leone comenta: " O ano passado também iniciámos com o Rali de Castelo Branco e lembro-me que foi uma prova bastante difícil, que levou ao limite a nossa capacidade de resistência, tivemos imensos imprevistos, mas resistimos e conseguimos ficar em 2º lugar. Vamos fazê-la novamente com imenso entusiasmo, pois é uma prova de que gostamos bastante e o desafio é tentar repetir o resultado ou quem sabe conseguir até melhor...na verdade estamos mesmo é com muita vontade de iniciar a temporada e por as mãos no volante do Ford Escort RS Cosworth que está finalmente pronto e preparado para este novo arranque."

pascoalbairradaO atual Campeão de Portugal de Ralis na categoria RGT, Vítor Pascoal, começou ao melhor nível uma temporada em que o objetivo é a renovação do título, com a vitória no Rali da Bairrada, evento inaugural da época.

Um triunfo discutido ao segundo, que conheceu uma ponta final ao rubro, onde o piloto do Porsche 911 GT3 Cup com o número 30 nas portas acabaria por ser o mais rápido num dia muito especial, em que celebra o seu aniversário. "Para um piloto, é a melhor prenda de anos. Foi um rali extremamente exigente, com um fantástico duelo com o Miguel Campos. Fui para a última especial a 1.9s da liderança e sabia que não podia falhar. Entrei totalmente focado e consegui terminar na frente e vencer por 4.2s, num rali que podia pender para qualquer um dos lados. Foi um fantástico desfecho e uma daquelas provas que fica na memória. Agradeço muito o apoio do meu navegador, o Ricardo Faria, que me deu a motivação e segurança necessárias para arriscar", frisou, radiante, Vítor Pascoal.

O piloto venceu três das seis especiais, o que demonstra o forte andamento ao longo de todo o evento. "Senti-me confiante desde o início e quando assim é os tempos surgem com maior naturalidade. Agradeço também a toda a minha equipa o trabalho realizado e dedico esta vitória aos meus patrocinadores, que são uma parte essencial do nosso projeto. A todos, o meu muito obrigado."

Uma jornada onde o piloto alinhou com o foco também já no próximo fim de semana, o que obrigou a uma difícil gestão de corrida: "Além de ser a nossa primeira prova do ano com o Porsche em ralis, que é um registo completamente diferente da montanha e que nos obriga a uma adaptação inicial, quinta-feira estamos já à partida do RallySpirit Altice 2021. Neste contexto, não podia arriscar comprometer a presença neste importante evento para o nosso projeto de 2021. Mas, confesso, foi muito difícil gerir as emoções. No final, felizmente correu tudo bem, vencemos e a satisfação é total."

A próxima ronda da temporada desportiva de Vítor Pascoal é o Rali de Castelo Branco, segunda jornada do Campeonato Portugal RGT de Ralis, uma presença que fará o piloto prescindir da Rampa da Penha. "Temos de fazer escolhas e sabíamos que o projeto que delineamos para esta época teria estas condicionantes. Por isso, o objetivo é retirar o máximo de cada participação. É com essa determinação que nos apresentamos em cada prova."