faceralis

 

ANUARIO123

CPR

netoPaulo Neto vai estar à partida do Rallye Vidreiro Centro de Portugal Marinha Grande já nos próximos dias 15 e 16 de outubro, nesta que é a penúltima jornada do Campeonato Portugal de Ralis.

O piloto do Skoda Fabia R5, que é navegado por Vítor Hugo, encara com expectativa um evento que é tradicionalmente caracterizado pela rapidez das classificativas e que apresenta este ano um novo figurino. "Grande parte do rali é novo, e esse desconhecimento aliado ao elevado ritmo a que se disputam as especiais torna esta edição particularmente difícil e exigente", frisou.

Neste contexto, um andamento sólido e o foco na evolução voltam a timbrar a participação da equipa. "Temos consciência do nosso posicionamento perante a concorrência e de que esta não é a prova onde nos sentimos mais confortáveis. Por isso, o objetivo será evoluir ao longo das especiais, aumentando a toada à medida que formos adquirindo maior confiança e à-vontade ao volante do Skoda."

Uma estratégia que tem marcado a época da equipa na competição: "O campeonato é extremamente competitivo, com um plantel de carros e pilotos de topo. É estimulante disputar o cronómetro com vários campeões nacionais e alguns dos melhores pilotos portugueses da história da modalidade, mas é também importante sabermos enquadrar cada participação da forma que melhor nos permita continuar a crescer.

ernestoÉ já na próxima sexta-feira, dia 15 e sábado, 16 de outubro que a EFC Rally Team volta à competição. Será no asfalto da Marinha Grande que as duplas Ernesto Cunha / Rui Raimundo e Tânia Cuco / Helena Maia se voltam a juntar à partida de mais um rali.

É com a motivação no máximo que estas duas equipas se preparam para a competição, nesta que será a terceira participação de Ernesto Cunha e segunda de Tânia Cuco na prova da Cidade do Vidro: "A Marinha Grande é a minha cidade em todos os aspetos e o Vidreiro é o meu rali. Apesar de apenas ter uma participação completa nesta prova, tenho uma boa expectativa e sei que será uma excelente organização do CAMG. Tenho convicção que conseguiremos um bom resultado", começa por referir Ernesto Cunha.

Já Tânia Cuco reforça o desejo de voltar a este rali e desfrutar de todas as emoções inerentes: "Correr aqui tem um valor acrescentado por ser na nossa cidade. Depois de apenas termos conseguido concluir um dos troços na edição do ano passado, procuramos chegar ao final da prova e viver toda a adrenalina e ambiente do rali em pleno."

Após um excelente resultado no Campeonato Nacional de Ralis 2RM e Campeonato Europeu de Ralis em Fafe, Ernesto Cunha e Rui Raimundo planeiam uma prova sem pressão na Marinha Grande: "Depois de dois segundos lugares consecutivos no CPR 2RM, sabemos o trabalho que temos pela frente no Vidreiro e o objetivo é manter este lugar. O ritmo que temos está alinhado com esta posição e não vamos aventurar-nos com ambições desmedidas".

Tânia Cuco e Helena Maia chegam à prova com ritmo afinado depois de uma participação no Rali de Santo Tirso e estão focadas numa preparação rigorosa para que que o desenrolar dos troços do Vidreiro seja o mais suave possível.

Será com uma especial na zona de São Pedro de Moel que o rali arranja na tarde de sexta-feira. Os pilotos terão pela frente um conjunto superior a 96 quilómetros de troços cronometrados.

vidreiroO Rali Vidreiro, sétima prova do Campeonato de Portugal de Ralis, tem tudo para ter emoção a rodos, obrigando os quatro pilotos candidatos ao título a terem que dar tanto uso ao acelerador como à calculadora.

Poucas hipóteses existem de o título ficar já entregue e, se assim acontecer, é quase obrigatório que Armindo Araújo tenha que vencer o rali (ganhe ainda a power stage) e esperar que Ricardo Teodósio fique fora dos quatro primeiros e Bruno Magalhães fora dos lugares do pódio.

Digamos que é um cenário pouco provável, tanto mais que as ambições de Ricardo Teodósio e Bruno Magalhães passam, certamente, por vencer esta prova, não sendo aliás os únicos com vontade e engenho para o fazer.

Nesta análise entra José Pedro Fontes, vencedor da última prova em asfalto (Rali da Água) e que também já sabe o que é vencer o Vidreiro com o Citroen DS3 R5. Aliás, para Fontes se manter ainda matematicamente na luta pelo título só lhe resta mesmo vencer e esperar que Armindo Araújo fique fora dos primeiros lugares. Não vencer, ou mesmo terminar fora do pódio, deixará Fontes fora da luta pelo título.

Nesta prova joga-se também muito do que será o fim de época. Basta dizer que a Armindo Araújo um sexto lugar (sem qualquer ponto obtido na powerstage) representa quase uma desistência, pois coincide com o número de pontos (12) que terá de deitar fora depois de concluir o último rali (caso fique com resultados dentro dos cinco primeiros em todas as provas).

Para Ricardo Teodósio o raciocínio é semelhante, com a agravante que o pior resultando é um 4º lugar (14 pontos), o mesmo sucedendo com Bruno Magalhães. Quer isto dizer que só mesmo o pódio interessa para estes dois pilotos.

Os cálculos a fazer, por estes quatro pilotos, terão ainda que contar com a prestação de Pedro Meireles, vencedor em 2020, e que nesta prova pode muito bem baralhar as contas dos seus adversários.

Certo mesmo é que a calculadora tem que começar já a funcionar e muitos cenários são ainda possíveis em função, por exemplo, de uma hipotética desistência de um dos quatro candidatos ou de um forte atraso por causa de um furo ou uma saída de estrada.

Por tudo isto, emoção e alguns nervos poderão estar presentes neste Rali Vidreiro.

zepedroO Citroën Vodafone Team aposta na conquista de nova vitória no Rallye Vidreiro - Centro de Portugal Marinha Grande, de modo a poder manter-se na luta pelos títulos de 2021 do Campeonato de Portugal de Ralis.

Não há outro resultado possível para que José Pedro Fontes e Inês Ponte se possam manter na luta pelos títulos de 2021 do Campeonato de Portugal de Ralis: "Só a vitória interessa e estamos cientes de que poderemos alcançá-la na prova do Clube Automóvel da Marinha Grande", sublinha o piloto do Porto, na véspera do arranque para a estrada da penúltima jornada da presente temporada.

Tal convicção é suportada pelos excelentes resultados recentemente obtidos pelo C3 Rally2 em ralis de asfalto e que, entre outros, se traduziram numa vitória absoluta no Rally da Água - Alto Tâmega e um 2º lugar no Rally Vinho Madeira, confirmando a validade dos mais recentes desenvolvimentos para este tipo de piso que a Citroën Racing cedeu ao Citroën Vodafone Team.

"Estamos cientes do enorme potencial do nosso carro, nomeadamente em pisos de asfalto, e ainda que o tipo de alcatrão das especiais da Marinha Grande tenha algumas diferenças face ao que encontrámos na região de Chaves, não é por isso que o nosso potencial de vitória diminui. Aliás, os resultados que a equipa tem obtido nesta prova – destacando-se as vitórias de 2019 (com o C3 R5) e em 2016 (com o DS 3 R5) – são espelho do quão à vontade estamos com os troços da região."

"Claro que as realidades são hoje diferentes, designadamente pelo cada vez mais competitivo parque circulante que concorre no CPR, com os pilotos das várias equipas oficiais, ou com suporte de fábrica, a discutirem os primeiros lugares", acrescenta, numa altura em que, fruto da prestação no Rally Serras de Fafe e Felgueiras, a dupla deixou fugir um pouco esses adversários. "O resultado de há duas semanas em Fafe não foi, claramente, o que esperávamos, mas ainda nos permite mantermo-nos na luta pelos títulos de Pilotos e Navegadores de 2021 e é isso que interessa."

eduardoO Rali Vidreiro 2021 será a próxima prova do Campeonato Portugal de Ralis 2RM e Júnior em que a dupla Eduardo Santos / Inês Veiga, estarão presentes, aos comandos do Peugeot 208 R2 com as cores da RuiSilauto e da BP Portugal.

"Sem dúvida que este é um rali especial para nós, ainda mais sendo eu um jovem Leiriense, iremos estar nesta penúltima prova do CPR com o objetivo de continuar a adquirir o máximo de experiência nesta importante fase de aprendizagem. Estamos conscientes das limitações do nosso carro em relação aos outros concorrentes CPR 2RM principalmente nesta prova, o foco é a nossa evolução, terminar a prova e acumular também pontos para CPR 2RM , estando neste momento em 5º Lugar, e também assegurar a liderança do CPR Júnior", refere Eduardo Santos, piloto que é ainda apoiado pelas empresa SumTek, JCA - Imobiliária, Gaspar & Costa, Meiriformação e Fapiblue.

"Eu e a Inês iniciamos as nossas carreiras nos ralis como copilotos dos nossos pais, e formamos neste momento a única dupla de jovens no Campeonato Portugal de Ralis, e neste tão especial rali é com grande orgulho que iremos ter ambos os nossos pais também a competir mas inseridos na prova do Campeonato Centro de Ralis", revelou o jovem piloto.