Share
breve6morta10Miguel Campos regressou às vitórias à geral depois de anos de jejum nos ralis. "Como disse anteriormente é um rali que me sinto muito a vontade, não só pelo tipo de especiais encadeadas mas porque posso tirar todo o partido do carro. Entrei no rali muito confiante, prova disso é os tempos realizados no primeiro dia, onde andamos perto do limite e onde conseguimos uma vantagem para poder gerir os adversários. Gostaria de agradecer a RMC pelo trabalho realizado na sexta-feira que após uma avaria que não nós deu possibilidade de testar o carro, nunca deixou de dar o seu melhor para poder ter um carro a altura no dia do rali", afirma Miguel Campos.

Frederico Gomes / Pedro Lopes obtiveram um 2º lugar entre os concorrentes do Citroen racing Trophy, continuando ainda a liderar a F2 no Campeonato de Portugal de Ralis. «Quanto à prova em si foi um bom rali para nós. Fomos rápidos, competitivos e travamos uma luta muito interessante com o Ivo Nogueira, que infelizmente teve uma saída de estrada» afirma Frederico Gomes, adiantando que «apenas tivémos um problema com o alternador, que nos obrigou a fazer a super-especial à noite sem faróis. A habituação do Pedro Lopes foi boa, mostrando-se muito humilde e com vontade de ouvir e aprender. Logicamente que houve um período de adaptação de ambas as partes, mas o resultado final foi muito positivo. Por isso, um agradecimento ao Pedro Lopes pela sua disponibilidade e profissionalismo».

O Rali de Mortágua acabou em pleno para Gil Antunes que atingiu os objectivos delineados para a última prova do Campeonato Regional Ralis Centro. Como nos salientou o piloto de Sintra, "foi um bom rali, onde conseguimos chegar aos resultados que pretendíamos. Fizemos os possíveis para pressionar os nossos adversários, mas tivemos um problema no motor e com o tempo perdido um lugar do pódio foi muito bom. Gostávamos de ter alcançado o título, mas isso não era nada fácil pois não dependíamos apenas do nosso resultado. De qualquer das formas o vice-campeonato na geral e o título nas duas rodas motrizes é um excelente prémio para toda equipa e para todos os nossos patrocinadores, já que ao longo da época terminamos todas as provas do campeonato e fomos sempre uns dos principais candidatos à vitória".

Carlos Fernandes é claramente uma das surpresas da temporada. O seu ritmo competitivo é enorme para quem se estreou à quatro ralis atrás. Foi o primeiro líder do Rali de Mortágua, Regional Ralis Centro, mas não chegou ao fim. "A prova começou muito bem. Apesar de ser a primeira vez que alinhamos na prova, conseguimos tirar um bom proveito do carro nos troços cronometrados e isso permitimos chegar à liderança do rali. Mas sem nada a prever o turbo cedeu e optamos por terminar por ali a nossa prova, pois não valia a pena tentar levar o carro até ao pódio e estar ainda a estragar mais material e continuar a perder bastante tempo e da mesma maneira cair bastante na classificação geral. Aliás este problema deveu-se a termos forçado um pouco o Turbo para assegurar o pódio no rali do centro. O lado positivo foi sem duvida ter voltado a liderar um rali, o que demonstra que tenho feito uma boa evolução nos ralis e agora o importante é já começar a pensar na próxima época para estar ainda num patamar melhor", salientou Carlos Fernandes.

Daniel Nunes nem chegou a concluir um troço de estrada no Rali de Mortágua. "Entramos bastante confiantes para o rali e estávamos já a andar como nos é habitual. Mesmo no final do troço, infelizmente o motor partiu e fomos obrigados a desistir. Ainda vimos o «caso mal parado» pois tivemos um princípio de incêndio e voltamos a temer o pior, mas apesar do azar, acabou tudo por correr bem. Penso que iríamos ser uns dos principais candidatos ao triunfo, mas mais uma vez voltamos a ter azar e fomos obrigados a desistir", sublinhou o piloto de Sintra.