faceralis

 

usados

Nacional

ruitamegaRALI ALTO TÂMEGA 2020

AGOSTO 2020

FOTOS RALIS ONLINE (RUI FONSECA)

teoRicardo Teodósio e José Teixeira estrearam-se no asfalto do Rali Alto Tâmega, em Chaves e Boticas, com um 3.º lugar da geral e a vitória na Power Stage para o CPR. Dupla do Team Vito Skoda continua motivada na luta pelo título.

Os campeões nacionais em título nunca tinham corrido nas especiais de Chaves e Boticas, mas foram logo os mais rápidos no Qualifying, no sábado. O primeiro troço até correu dentro das expectativas de Ricardo Teodósio e José Teixeira; contudo, durante a segunda especial, um incidente com um cão na estrada afetou a concentração da dupla do Skoda Fabia R5 Evo, que perdeu tempo precioso. A partir daí, Teodósio e Teixeira concentraram-se em garantir o 3.º lugar do rali e em vencer a Power Stage, para acumularem pontos adicionais para o campeonato.

"Estávamos confiantes e penso que até entrámos bem no rali", afirmou Ricardo Teodósio. "Infelizmente, na segunda especial apanhámos um cão na estrada e tivemos de fazer uma manobra de emergência, algo que nos desconcentrou. Perdemos cerca de 25 segundos nesse troço e, num rali tão disputado, isso foi crucial. Tentámos recuperar o tempo perdido mas a dada altura percebemos que era melhor direcionar a nossa estratégia de pneus para tentar ganhar a Power Stage no CPR, o que conseguimos. A partir daqui, a nossa margem de erro no campeonato é zero e vamos tentar ganhar os três ralis que faltam", referiu o piloto algarvio, que no Rali Alto Tâmega conseguiu o terceiro pódio de 2020.

 

DANIEL13A região de Trás-os-Montes foi o palco do Rali Alto Tâmega, que decorreu no passado fim de semana, onde Daniel Nunes e Nuno Mota Ribeiro partiram com objectivo de manterem a liderança do Campeonato Portugal de Ralis 2 Rodas Motrizes e do Challenge R2&You.

No final da prova, Daniel Nunes afirmava, "Foi uma prova muito difícil para nós. Adorámos os troços mas entrei sem ritmo. Devido a situações profissionais, os reconhecimentos foram escassos e a concentração não foi a indicada, pelo que isso traduziu-se no andamento e no cronómetro. Fomos ganhando ritmo e confiança mas ao mesmo tempo desiludidos, pois era impossível chegar ao andamento e tempos dos nossos adversários , equipados com os novos Rally 4."


"Só nos restava lutar pelo Challenge R2&You mas, na quinta especial do rali, quando estávamos para a iniciar, um acidente com um concorrente que nos antecedia fez com que estivéssemos parados cerca de trinta minutos. Com pneus e travões frios partimos para o troço, mas, em consequência dessa paragem, tivemos 3 saídas de estrada. Com vontade de atacar para consolidar a liderança do Challenge R2&You, mas perdemos a margem que tínhamos e, no último troço perdemos o rali por frustrantes 7 décimas de segundo, mas as corridas são assim", disse o piloto.

"Estamos conscientes que o nosso campeonato pode estar perdido se continuarmos aos comandos do Peugeot 208 R2, pois não conseguimos chegar perto da concorrência que, entretanto se apetrechou com os novos Peugeot 208 Rally 4 e, vamos agora reunir com a equipa e analisar o que se pode fazer nas restantes provas do campeonato", concluiu Daniel Nunes.

vitorclaO Rali Alto Tâmega, terceira prova do Campeonato de Portugal de Clássicos de Ralis, não foi um rali que deixe muitas recordações à dupla Vitor Calisto / António Cirne, a braços com uma série de problemas no Ford Escort RS 2000 MK1, que muito condicionaram a prestação da equipa.

"Não foi um rali nada fácil apesar de termos atingido os objetivos finais a que nos tinhamos proposto para esta prova e que passavam por nos mantermos nos lugares do pódio em termos de classificação do Campeonato de Portugal de Clássicos de Ralis", refere Vitor Calisto, explicando de seguida que "tivemos muitos problemas de motor ao longo de toda a prova que condicionaram bastante o nosso rali. Na quinta especial ficamos sem alternador e na especial seguinte foi o cabo da embraiagem que cedeu, não nos permitindo praticamente trocar de velocidade, o que nos obrigou a rodar praticamente sempre em terceira velocidade".

Apesar de todos estes contratempos, Vitor Calisto diz que "saímos do Rali Alto Tâmega na mesma posição do Campeonato de Portugal de Clássicos de Ralis com que entramos para esta prova, isto é, na vice-liderança da competição, estando na liderança dos Históricos 75. Terminamos o rali no sétimo lugar final entre os concorrentes dos Clássicos e, sinceramente, melhor do que isso não poderíamos ter feito tal as adversidades com que tivemos de lutar nesta prova".

Quanto ao Rali Alto Tâmega, Vitor Calisto regista a "enorme afluência de público que esteve presente a ver os concorrentes passar, mas também a extrema dificuldade em passar pelos troços que estavam com demasiada areia no interior das curvas, mais parecendo um rali de terra do que asfalto, tal como sucedeu em Castelo Branco".

pascovenDepois de ter ganho o Rali Alto Tâmega à geral em 2019, Vítor Pascoal voltou a triunfar na prova transmontana, desta feita para o Campeonato de Portugal de Ralis GT. Piloto do Baião Rally Team, que é navegado por Ricardo Faria, ganhou quatro das seis classificativas do rali, disputado em condições difíceis para os Porsche.

O bicampeão nacional de Ralis GT cumpriu plenamente os seus objetivos na edição de 2020 do Rali Alto Tâmega, onde sabia de antemão que teria muito maiores dificuldades do que em 2019, devido a uma discutível posição de partida. Com o asfalto muito sujo e cheio de pedras, fruto da passagem de dezenas de carros antes do Porsche 991 GT3 Cup, Vítor Pascoal concentrou-se em manter o carro alemão na estrada e em tentar ganhar a segunda prova consecutiva no CPRGT, depois do triunfo em Castelo Branco.

"Foi um rali onde sofremos imenso com as condições da estrada, nem parecia o mesmo rali de 2019", afirmou Vítor Pascoal no final. "A organização colocou-nos a partir muito atrás, inclusive atrás de alguns Kia Picanto, o que naturalmente nos fez apanhar a estrada muito suja devido à quantidade de carros que passaram antes de nós. O asfalto tinha muita terra e pedra, havia algumas zonas problemáticas, por isso tivemos sempre algumas cautelas. Vencemos o rali nos GT, que era o grande objetivo, ganhámos quatro troços e aproveitámos também para trabalhar na afinação das novas suspensões do carro. Agora vamos virar as nossas atenções para a Rampa de Boticas, onde tentaremos repetir a vitória nos GT que obtivemos na Rampa de Murça", comentou o piloto do Baião Rally Team.