faceralis

 

usados

Nacional

netomad2020Num rali quase perfeito e disputado em ritmo elevado, Paulo Neto / Vitor Hugo, ao volante do Skoda Fabia R5, tiveram no Rali Vinho Madeira 2020 uma das suas melhores prestações de sempre no Campeonato de Portugal de Ralis.

Apostados em fazer um bom Rali Vinho Madeira, Paulo Neto / Vitor Hugo cumpriram na integra os objetivos que tinham para esta prova, sendo 6º classificados da geral nas contas do Campeonato de Portugal de Ralis.

"Foi sem dúvida um dos melhores ralis da minha carreira que terminou com um excelente resultado, um 6º lugar à geral no Campeonato de Portugal de Ralis. Na verdade, dificilmente poderia aspirar a melhor resultado do que este nesta prova, já que à minha frente ficaram apenas os pilotos que têm pretensões a discutir a vitória em todas as provas e no próprio Campeonato e que têm outros meios que nós não dispomos", conta Paulo Neto, explicando que "em alguns troços chegamos a perder apenas cerca de 1,5 segundos por quilómetro, o que é excelente tendo em conta a pouca experiência que temos com o nosso Skoda Fabia R5 face aos nossos adversários".

Após o Rali Vinho Madeira, Paulo Neto diz que "desportivamente foi um rali muito bom. Conseguimos em quase todas as segundas passagens nos troços melhorar bastante os nossos tempos, como fomos muito consistentes no ritmo que adotámos ao longo da prova. Para além disso, a ARC entregou-nos um Skoda Fabia R5 em perfeitas condições e com excelentes afinações para os troços que encontramos nesta prova, que nos permitiu ganhar confiança troço a troço e obter um dos melhores resultados de sempre da minha carreira nos ralis, numa prova em que não tivemos qualquer percalço mecânico".

A Paulo Neto Sport conta com os parceiros: Weber, Baxi, Dominó, Listor, Italbox, Quantinfor, AVF, Total, Vitarte, Peçintra e Cision.

teomad20aposO Campeonato de Portugal de Ralis viajou até à bonita ilha da Madeira, onde o Team Vito Skoda voltou a lutar pelo pódio no asfalto insular. Quarto lugar final não satisfaz Ricardo Teodósio, que, no entanto, não baixa os braços na luta pelo título.

Ricardo Teodósio e o navegador José Teixeira sabiam que a terceira ronda da temporada, o Rali Vinho da Madeira, seria uma prova de fogo na sua época, visto que a concorrência direta é normalmente bastante forte na prova insular. A dupla do Team Vito Skoda entrou determinada no rali, mas cedo percebeu que o set-up escolhido para o seu Skoda Fabia R5 Evo não era o mais eficaz, perdendo tempo importante na luta pelas primeiras posições do CPR.

"O Rali Vinho da Madeira é uma daquelas provas onde temos de ter plena confiança no carro para atacar logo desde o primeiro metro. Na primeira secção de troços senti-me bem com o carro, mas os tempos simplesmente não 'saíam'. Quando voltámos à assistência decidimos mudar a afinação e também o estilo de pilotagem, mas confesso que prefiro sempre um estilo mais agressivo, algo que neste rali não foi possível. O quarto lugar não é o resultado que queríamos, mas também não é negativo, pois acumulámos pontos importantes e continuamos no top 3 do campeonato. Vamos agora preparar da melhor forma o Rali Alto Tâmega e tentar regressar às vitórias dentro de três semanas", afirmou o campeão nacional em título.

brunoDepois de dois pódios nas duas primeiras rondas do Campeonato de Portugal de Ralis, o Team Hyundai Portugal apostava forte mente no regresso às vitórias no Rali Vinho da Madeira, uma das mais emblemáticas e exigentes provas de asfalto da Europa.

Recordista de quatro triunfos na prova insular, Bruno Magalhães voltou a mostrar o seu talento, dominando durante praticamente todo o rali, entre os concorrentes do Campeonato de Portugal de Ralis. O piloto do Team Hyundai P ortugal conseguiu uma importante vitória para o CPR no asfalto da ilha, além de um positivo 4.º lugar da geral.

“Foi um rali praticamente perfeito para nós”, afirmou o tricampeão nacional e vice campeão da Europa. “Normalmente somos muito competitivos neste rali e o nosso Hyundai i20 R5 esteve sempre em perfeitas condições, o que nos permitiu imprimir um ritmo forte logo desde os primeiros troços. Acabámos por ganhar nove classificativas no CPR, incluindo a Power Stage, o que a juntar à vitória no rali dá nos muitos pontos para o campeonato. Esta vitória é para a equipa e para os nossos patrocinadores, que se mantiveram connosco apesar das alterações que tivemos de fazer ao nosso programa devido à pandemia. Este resultado é o melhor agradecimento” agradecimento”, referiu Bruno Magalhães, que se aproximou ainda mais do primeiro lugar da competição.

O Campeonato de Portugal de Ralis vai agora regressar ao continente e rumar aos pisos de asfalto do Rali Alto Tâmega, a disputar entre os dias 28 e 30 de agosto.

armindoArmindo Araújo terminou o Rali Vinho Madeira no terceiro posto do Campeonato de Portugal de Ralis, fruto do sétimo lugar da geral, e mantém a liderança da classificação geral, disputada a terceira das sete provas do calendário de 2020.

Num rali onde um problema no diferencial traseiro limitou a utilização do set-up ideal para conseguir um ritmo mais rápido, o piloto do Skoda Fabia R5 Evo, acabou por minimizar o prejuízo, alcançando um resultado importante para as contas do campeonato. "Não foi um rali nada fácil, mas ainda assim conseguimos um lugar no pódio que nos permite manter a liderança do campeonato, que era o nosso principal objetivo. Fizemos um excelente trabalho na preparação desde rali, mas um problema mecânico, desde o início, fez com que não pudéssemos usar a melhor

afinação no Skoda. Saímos daqui com a certeza que todos demos o máximo", começou por dizer.
Apesar da vantagem ter diminuído, Armindo Araújo e Luís Ramalho continuam na liderança do campeonato e estão já de olhos postos na próxima prova da temporada. "Percebemos qual foi o motivo que fez com que não tivéssemos conseguido andar mais próximo dos nossos adversários e sabemos que estaremos no Rali do Alto Tâmega na máxima força. Ainda faltam muitas provas estamos na frente do pelotão. É isso que pretendemos até ao final do campeonato, e é por isso que vamos lutar", disse ainda o piloto de Santo Tirso.

rego copyO Team Além Mar cumpriu todos os objetivos que tinha traçado para a presença no Rali Vinho Madeira, nomeadamente a aquisição de ritmo competitivo, o que só se consegue fazer em prova, e a aprendizagem de uma prova que é tão icónica quanto difícil.

Luís Rego Jr. nunca tinha estado no Rali Vinho Madeira e isso notou-se conforme confirmou o piloto: “Quando não se conhecem os troços e ainda por cima estamos a estrear o novo carro que também precisa de trabalho de afinação, é normal que alguns pequenos erros possam surgir e, por isso, optámos por arrancar com uma toada calma e segura que nos permitisse ir progredindo ao longo do rali.”

Sem quaisquer objetivos em termos classificativos, Luís Rego Jr. e Jorge Henriques foram subindo de andamento, sobretudo nas segundas passagens em que tiraram sempre muito tempo aos cronos anteriores, terminando à porta do top 10. “As sensações foram sempre melhorando ao longo da prova e agora é que o rali devia estar a começar”, referiu o piloto do Team Além Mar no final do Rali Vinho Madeira. “Tenho a noção que ainda há muito para aprender mas estamos super satisfeitos com a progressão que fizemos e que é bem notória através dos tempos que melhoraram muito nas segundas passagens. O rali tem troços fantásticos e já estávamos com um andamento que dava para nos divertirmos imenso com a condução”.

O piloto de Ponta Delgada enaltece o trabalho da equipa técnica da ARC Sport, coadjuvada pelos técnicos da Rego Jr. Competições, que “esteve fantástica, como sempre”. Membro fundamental da equipa é o segundo condutor, Jorge Henriques que desta feita assumiu um papel ainda mais proeminente uma vez que, ao contrário de Luís Rego Jr., possui um conhecimento assinalável das provas madeirenses. “O trabalho do Jorge é sempre de uma qualidade e profissionalismo a toda a prova mas desta vez fiquei com a certeza que sem ele não teria sido possível progredir como o fizemos ao longo da prova”, elogiou o piloto.

O campeão dos Açores deixa, ainda, um agradecimento especial “ao público e à comunicação social madeirenses que muito nos acarinharam” mas também o apoio que sentiu, vindo dos Açores, através dos incentivos e das inúmeras mensagens que foi recebendo através das redes sociais.

Luís Rego Jr. não esconde que gostaria de voltar para a edição de 2021 da prova madeirense mas centra já atenções no Campeonato dos Açores de Ralis que deverá arrancar em Setembro com a disputa do Azores Rallye.