faceralis

 

banner curso Prancheta-1

Nacional

cenario2011(Actualizado) Conhecidas que são as 8 provas do Campeonato de Portugal de Ralis de 2011, dificilmente se poderá vir a ter um competição mais participada do que aquela que tivemos em 2010.

O Campeão Bernardo Sousa irá concentrar-se no SWRC, Bruno Magalhães não deverá regressar ao Nacional se se confirmar o restante programa no IRC, enquanto Vítor Pascoal arrumou definitivamente o seu S2000. Miguel Campos não quererá por certo ter um projecto num S2000 se não houver concorrência, apesar da sua intenção de fazer uma temporada completa no CPR.

Ricardo Moura já tem confirmada a sua época no CPR novamente com um Mitsubishi Lancer da equipa ARC. Também por esta equipa deverá voltar a correr Adruzilo Lopes, que gostava de regressar ao Gr.N. Ainda na equipa de Aguiar da Beira vai correr Hugo Mesquita, um açoriano que irá tripular um Citroen DS3 R3T.

Ao volante deste novo modelo da marca francesa estará Paulo Neto e também o jovem Ivo Nogueira, sendo muito provável a chegada de um quarto carro.

Com um Citroen, mas neste caso o C2 R2 Max, deverá estar Frederico Gomes (que tenta também um DS3) e Armando Oliveira (caso não venda o carro). Ricardo Marques também quer manter-se no CPR e também ele virou o projecto para um DS3, mas o C2 também é hipótese.

Nuno Barroso Pereira (segundo fontes próximas do piloto) deverá ficar parado em 2011 e João Ruivo está a tentar correr com um Abarth 500 R3T.

É certo que ainda é cedo para saber o que determinados pilotos poderão vir a fazer este ano, alguns até poderão correr nas duas primeiras provas do Open e depois decidir, mas o cenário para a primeira prova do ano não é nada animador.

gagoFez a sua estreia nos ralis em 2010 começando num escalão de iniciação como é o Troféu Fastbravo. Diogo Gago evolui ao longo da época, ficou a conhecer os ralis por dentro e ainda deu para vencer uma prova.

Qual o balanço da temporada de 2010?
O Balanço de 2010 só pode ser positivo, os objectivos pretendidos foram claramente alcançados. Acabamos a época com uma vitória difícil, da qual já andavamos a procura. Primeiro ano de competições e os resultados que mostrámos... só pode ser um 2010 positivo.

Quais os momentos mais marcantes?
Os momentos mais marcantes da temporada foram o Rali Vila Nova de Cerveira que por pouco mais de 1 segundo náo ganhamos, a desistência em Arganil e a primeira vitória da minha carreira nos ralis no último rali.

De que forma vais continuar a tua carreira?
Certezas vai ser a continuação no Trofeu Fastbravo, continuar a desenvolver a minha condução e fazer os possíveis para lutar pela vitória do troféu.

coutinhofestsa10Manuel Coutinho foi um dos pilotos do ano. Venceu o Open de Ralis, alicerçado num projecto muito consistente e coerente, demonstrando evolução como piloto no seu primeio ano completo ao volante de um 4x4. Para 2011 novos projectos se aproximam.

Qual o balanço da temporada?
A equipa alcançou todos os objectivos a que se propôs e por isso, enquanto elemento de uma equipa, só posso ficar contente com os resultados alcançados. Foi uma época longa mas muito emocionante. Tivemos lutas muito giras ao longo do ano, com diferentes pilotos, cada uma com sentimentos especiais. Tivemos um início de temporada algo conturbado, alternando entre vitórias e desistências, mas conseguimos depois encontrar um rumo que permitiu chegar ao final do ano na melhor posição. A equipa funcionou muito bem ao longo de toda a temporada e os resultados alcançados resultam do contributo de todos.

Achas que as regras do Open te beneficiaram (apenas seis resultados contam)?
Não necessariamente até porque, se fossem contabilizados todos os resultados continuávamos a ser Campeões. Quando iniciamos um campeonato não sabemos se vamos terminar todas as provas e muito menos em que posições. Não é possível fazer qualquer tipo de planeamento nesse sentido. Ao longo da temporada, encaramos as provas com a mesma determinação e vontade de vencer. Após o Rali de Arganil percebemos que estávamos numa boa posição para garantir o título nacional e encaramos as restantes provas de forma distinta, mas numa competição como esta onde a imprevisibilidade é uma constante nunca podemos dar nada como garantido. Mantivemos um ritmo forte mas fomos gerindo as provas de forma distinta de modo a não comprometer o resultado final, em especial em Loulé quando alcancei o título de Campeão Nacional de pilotos e depois no Rali de Vila Real para permitir que o Manuel Babo garantisse o título entre os navegadores.

Qual o momento mais marcante da época?
Tivemos vários momentos bons. As vitórias alcançadas terão sempre um sabor especial. Creio que o momento que marcou toda a época foi o resultado conseguido em Arganil. Foi uma prova difícil porque tínhamos tido um acidente, corremos algo combalidos e o facto de ser em terra não nos favorecia porque tínhamos poucas referências. Conseguimos manter um bom ritmo e com alguma felicidade à mistura, por força dos azares que afectaram alguns dos nossos adversários, garantimos um triunfo que se revelou muito importante. Foi a partir dai que percebemos que o título poderia estar ao alcance. Naturalmente que a vitória em Loulé, que me permitiu conquistar o título nacional de pilotos e o resultado alcançado no Rali de Vila Real, que deu o título nacional de navegadores ao Manuel Babo, foram igualmente importantes.

A quem dedicas o título?
Os títulos alcançados resultaram de um trabalho de equipa e como tal dedico-os a todos os que partilharam connosco este percurso, mas em particular ao senhor Artur Vieira que nos deixou no decorrer desta temporada. Apenas um dos elementos – João Paulo Alves – não pertence à MCoutinho. Cada elemento teve uma função específica e todos foram importantes. Os resultados alcançados confirmam uma boa preparação e um bom trabalho de equipa. Eu não alcancei o título de Campeão Nacional sozinho. Dei o meu contributo como cada um dos restantes elementos. Por isso os títulos alcançados pertencem a cada uma dessas pessoas, sem excepção.

E agora? Qual o futuro? Open ou Nacional? Com que carro?
É certo que não irei alinhar num campeonato na totalidade, seja no Open ou outro. Estar presente a sério numa competição exige muita disponibilidade de tempo que não irei ter no próximo ano. De qualquer modo, pretendo marcar presença no Rali de Portugal, no agrupamento de Produção, com um carro competitivo que ainda não está definido. É um projecto que está a ganhar corpo e que pretendo pôr em prática. A par disso, irei marcar presença em algumas provas ao longo do ano mas apenas para manter o ritmo e a ligação à competição.

ano2010Manter um site como este activo, com notícias constantes e presença nas provas, exige muita disponibilidade (em horas e em euros).

Por isso fizemos um levantamento, apenas aproximado, do trabalho que desenvolvemos ao longo da temporada de 2010, sendo que alguns números também nos deixaram a nós surpreendidos.

Aqui fica o resumo de um ano de Site dos Campeões:

- 200 notícias do WRC
- 120 notícias do IRC
- 230 notícias Internacionais
- 340 notícias do Open de Ralis
- 280 notícias do Campeonato de Portugal de Ralis
- 150 notícias do Campeonato de Ralis da Madeira
- 130 notícias do Campeonato dos Açores de Ralis
- 180 notícias dos Campeonato Regionais de Ralis
- 200 Notícias diversas (eventos)
- 351 Bancos de imagens editados
- 17.550 Fotografias editadas (cerca de 50% enviadas por colaboradores e leitores)
- 242 videos do Youtube
- 5.000 E.mail´s recebidos
- 2.000 E.mail´s enviados
- mais de 30.000 visitantes únicos por mês
- 58 sondagens
- 2300 amigos no Facebook do Ralis Online
- 1.050 horas de actualizações
- 45 deslocações
- 36 vezes credenciado em ralis
- 24.215 Kms percorridos em reportagem

rodriogues2010Terminou a época em grande, com vitórias no Desafio Modelstand e uma grande exibição no Rali de Vila Real. António Rodrigues vai continuar no Open em 2011, ao volante de um Peugeot 206 RC de Gr.A, que lhe permitirá lutar por pódios e que sabe mesmo por vitórias.

Qual o balanço da temporada de 2010?
Considero que a balanço da época foi positivo, mesmo tendo em conta a não participação nas duas primeiras provas e também as duas desistências, uma delas quando liderava o Troféu.

Quais os momentos macantes da época?
Os momentos mais marcantes da temporada, foram as vitórias no Desafio Modelstand e os dois 3º lugares à geral, muito em especial o do Rali de Vila Real em que andamos até ao último troço em segundo.

Que projecto tens para 2011?
Está certo que em 2011 vamos continuar no Open e integrado na mesma Equipa a SFR Motorsport.

RALIS ONLINE TV