faceralis

 

usados

CPR

fontes.cb20jpgO Citroën Vodafone Team está de regresso à atividade, finda uma quarentena de mais de quatro meses e que resultou em alterações no calendário do Campeonato de Portugal de Ralis 2020. É com enorme expectativa que se aguarda este regresso da competição, naquele que é um dos mais importantes campeonatos de automobilismo no nosso país, numa prova de asfalto que é muito do agrado da equipa que defende as cores da Citroën e da Vodafone. José Pedro Fontes e Inês Ponte voltam a juntar-se para tripular o Citroën C3 R5 e o piloto portuense assume que o seu objetivo é repetir os triunfos de 2014, 2015 e 2017.

Focados num regresso de grande nível, José Pedro Fontes e Inês Ponte têm vindo a preparar afincadamente a presença em Castelo Branco. Parte do trabalho passou por não perder ritmo de exigência física ao longo destes quatro meses, e, por outro lado, pela preparação do Citroën C3 R5 com que a dupla vai apresentar-se nos troços albicastrenses. José Pedro Fontes mostra-se, acima de tudo, "muito contente por voltar a competir e espero, paralelamente, que o Rali de Castelo Branco seja um bom exemplo de que o regresso do Campeonato faz sentido, que são levadas a cabo todas as regras sanitárias e que é seguro para todos os envolvidos no rali. Daqui poderão sair padrões importantes para as restantes provas e, portanto, espero que tudo corra da melhor maneira."

Adicionalmente o piloto refere que "este é um rali de que gosto bastante e todos estamos a par dos resultados que aqui temos conseguido alcançar, nomeadamente com o nosso anterior carro. Quero voltar a vencer e Castelo Branco parece-me um palco ótimo, num campeonato muito diferente daquele que inicialmente preparámos. Todavia, as nossas metas não foram afetadas pela pandemia. Estamos a postos, trabalhámos muito durante o período de paragem para reunir todas as condições que nos permitam lutar pelo triunfo numa temporada que, para nós, é um recomeço... Para nós, nada mudou, apenas as datas!"

REGRESSO EM CASTELO BRANCO

Este aguardado regresso do Campeonato de Portugal de Ralis levará as equipas até à Beira Baixa, para realizar o Rali de Castelo Branco (asfalto). A prova levada a cabo pela Escuderia local corre-se na tarde do dia 4 (sábado) e no domingo, dia 5, com um total de 7 especiais e cerca de 100 quilómetros ao cronómetro. Este ano, sem a habitual Super Especial noturna no centro da Cidade de Castelo Branco, a prova terá uma primeira etapa com apenas três especiais: Vila Ruivas 1 e 2 (16,31 Km) e Foz do Cobrão (14,67 Km). Para domingo estão agendados quatro troços que são, afinal, duplas passagens por Dáspera/Sesmo/Salgueiral (12,24 Km) e Santo André das Tojeiras (13,96 Km)

PROGRAMA DO RALI DE CASTELO BRANCO

Sábado, 4 de julho

16h21 - Vilas Ruivas 1 - 16,31 km

17h19 - Foz do Cobrão - 14,67 km

18h12 - Vilas Ruivas 2 -16,31 km

Domingo - 5 de julho

10h48 - Dáspera - Sesmo - Salgueiral 1 - 12,24 km

11h24 - Sto. André das Tojeiras 1 - 13,96 km

14h36 - Dáspera - Sesmo - Salgueiral 2 - 12,24 km

15h09 - Sto. André das Tojeiras 2 - 13,96 km

208«É tempo de recomeçar tudo de novo e voltar ao ponto de partida.» É desta forma que Pedro Almeida e Hugo Magalhães olham para o retomar da competição, que acontece no próximo fim de semana em Castelo Branco.

A dupla vai ter ainda esta semana o primeiro contacto com o novo carro – o Peugeot 208 Rally4 – uma estreia absoluta do carro em competição e por isso tudo será novo. «Foi uma longa paragem, há as condições excecionais da corrida em resultado da pandemia e há um novo carro, onde ainda não fizemos quilómetros e que vamos ter de rapidamente nos adaptar para fazer o rali» começou por dizer o piloto de Famalicão.

«Desde final de fevereiro que estamos sem competir e embora eu e o Hugo nos tenhamos preparado com algum trabalho físico e especifico, vai ser sempre uma corrida de expectativa e de perceber o que pode dar o rali conforme ele vai decorrendo». Pedro Almeida e Hugo Magalhães vão testar o novo Peogeot 208 Rally4 esta quarta-feira, um primeiro contacto que será crucial para perceber que afinações podem ser feitas para Castelo Branco. «O carro chega esta semana e vamos fazer um teste e analisar com os engenheiros da The Racing Factory o que é possível fazer em termos de setup. Já sabemos que será uma adaptação progressiva e que apenas depois de se iniciar a contagem do cronómetro vamos conseguir perceber o ritmo que podemos imprimir» diz Pedro Almeida.

Castelo Branco marca o regresso do Campeonato de Portugal de Ralis, depois da interrupção do calendário após o Rali Serras de Fafe. «Tivemos de reformular tudo o que havíamos planeado. Vamos fazer os quatro ralis da Peugeot Iberian Cup, as provas do calendário nacional e depois vamos ainda incluir a participação no Rali da Calheta e fazer o Rali de Roma e dos Açores, que pontuam para o ERC. Pedro Almeida diz que o principal objetivo é o de elevar o nível competitivo. "Tinhamos definido esta temporada a realização de um conjunto de provas para somar experiências de condução. Serão bem menos que tudo o que tínhamos programado mas vamos aproveitar para tirar o máximo partido das provas que podemos realizar».

pauloProssegue em Castelo Branco, segunda prova do Campeonato de Portugal de Ralis, o Campeonato de Portugal RGT Ralis.

Ao volante de um Porsche GT3 911, Paulo Carvalheiro e o seu irmão Dércio Carvalheiro, como navegador, vão marcar presença, tendo obter o melhor resultado possível. Depois de um proveitoso teste de preparação, na zona de Pombal, o Porsche está apto para enfrentar a totalidade do Rali de Castelo Branco.

 
"O objetivo é pontuar o melhor que conseguirmos para o Campeonato RGT", comenta Paulo Carvalheiro, dizendo que "queremos fazer mais algumas provas ainda este ano caso se concretizem...".
 

armindoO Campeonato de Portugal de Ralis está a menos de uma semana do seu reinício e o Team Armindo Araujo / The Racing Factory está fortemente motivado para o regresso à competição e à defesa da liderança do CPR. O Rali de Castelo Branco será a segunda prova da temporada e a primeira em pisos de asfalto.

Para o piloto do Skoda Fábia R5 Evo, "este é o momento em que todos esperávamos desde que ficamos privados da atividade desportiva. Foram quatro longos meses, após o Rali Serras de Fafe e, por isso, a ansiedade é elevada e a motivação, naturalmente, alta. Estivemos bastante tempo sem competir, já realizamos dois dias de testes de preparação para o rali e vamos fazer ainda um pequeno "shakedown" privado na zona de Castelo Branco para verificar se está tudo perfeito no nosso Skoda".

Num rali que marca a mudança para os pisos de asfalto, Armindo Araújo fará também a sua estreia com o carro da marca checa e espera lutar pela vitória, resultado que conseguiu em 2019. "Vencemos este rali no ano passado e vamos lutar por repetir a vitória. Contudo é a nossa estreia com o carro neste tipo de piso e não sabemos qual será a nossa posição face aos nossos diretos adversários. Estamos confiantes que podemos ter um bom ritmo, mas só quando iniciarmos o rali conseguiremos perceber se a nossa adaptação ao Skoda é eficaz. Seria ótimo conseguirmos a segunda vitória do ano", referiu ainda o piloto tirsense.

Apesar de algumas modificações, fruto das medidas impostas pela DGS, a prova organizada pela Escuderia Castelo Branco apresenta um figurino idêntico ao ano transato, sendo de destacar as medidas restritivas no que toca a super-especial (que não se disputará) e ao acesso ao parque de assistência. "Desejamos que todas as equipas, assim como o público e qualquer interveniente na prova cumpra à risca as medidas de proteção necessárias. Só assim podemos disputar este rali, bem como os restantes até ao final da temporada", concluiu Armindo Araújo.

gilJPGA dupla aruilense vai realizar a sua estreia no campeonato nacional de Ralis já no Rali de Castelo Branco, que terá lugar nos dias 4 e 5 de Julho, uma vez que não houve oportunidade de estarem presentes na primeira prova, o Rali Serras de Fafe. É também neste Rali de Castelo Branco que o piloto Gil Antunes e o co-piloto Diogo Correia estreiam o novo e exclusivo Dacia Sandero R4.

Apesar dos testes já realizados em terra e asfalto, Gil Antunes e Diogo Correia assumem que há ainda muito para evoluir, não só porque será o primeiro campeonato ao volante de um automóvel de 4 rodas motrizes, mas também porque o próprio automóvel é um projeto muito jovem e exclusivo que tem ainda muitas "questões técnicas" por explorar.

A equipa conta com o apoio da Domingos Sport Competição, que está encarregue de auxiliar no desenvolvimento e evolução deste novíssimo Dacia Sandero R4, um projeto único no campeonato português de Ralis, mas também na Europa.

O piloto de Sintra afirma estar confiante depois dos dois testes realizados com o novo automóvel, onde este admite ter ficado surpreendido com a potência e com a estabilidade.

A missão da dupla para o Rali de Castelo Branco é a continuidade da adaptação a este novo automóvel, que pode permitir a ascensão aos lugares cimeiros da classificação geral.

Depois da grande interrupção de todas as atividades desportivas, a dupla apela ao público o cumprimento de todas as recomendações da DGS, não só pela continuidade do campeonato, mas também pela preservação da saúde pública.