faceralis

 

castelobranco24placa

CPR

castelobrancoplaca24Troços e horários Rali de Castelo Branco 2024, quinta prova do Campeonato de Portugal de Ralis que se realiza nos dias 21 e 22 de junho.

 

 

ADQUIRE O ANUÁRIO RALIS ONLINE 2023... AQUI

 

 

castelobrancotro24

castelobranco24placaA caravana dos Ralis regressa a Castelo Branco e Vila Velha de Ródão nos próximos dias 21 e 22 de junho, para disputar a etapa inaugural dos ralis em asfalto do Campeonato de Portugal de Ralis.

O evento contará para 8 competições diferentes, incluindo ainda o Campeonato de Portugal de Ralis Duas Rodas Motrizes, o Campeonato de Portugal Masters de Ralis, o Campeonato de Portugal GT de Ralis, o Campeonato de Portugal Clássicos de Ralis, o Campeonato Promo de Ralis, o Troféu FPAK Júnior Team e ainda para o Challenge R5/S2000.

Com o apoio das autarquias de Castelo Branco e Vila Velha de Ródão, a Escuderia Castelo Branco é novamente anfitriã desta magnífica competição, projetando e implementando um Rali que esperam possa ser correspondido com um elevado nível competitivo, com os melhores pilotos e os melhores automóveis.

A prova albicastrense apresenta algumas melhorias relevantes, começando logo por se destacar a redução de cerca de 100 quilómetros de ligações, tornando o rali muito mais compacto. Tal foi possível com a colocação das especiais de classificação numa área geográfica distribuída pelas áreas mais a sul do concelho de Castelo Branco, a que se junta as classificativas que decorrerão dentro das fronteiras de Vila Velha de Rodão. A isto, é adicionado ainda o facto do "Shakedown" e do "Qualifying" decorrerem num traçado às portas da cidade de Castelo Branco, encurtando ainda mais a quilometragem feita em ligações.

Nesta edição de 2024, serão disputadas onze provas especiais de classificação, quatro das quais na etapa inaugural do Rali, sexta-feira, dia 21 de junho. Com passagem nas freguesias de Caféde, Juncal do Campo, Sarzedas, esta etapa terminará novamente com a Super Especial "Reconquista", aguardando-se uma noite "quente" na cidade albicastrense.

Sábado, dia 22 de Junho, as equipas regressam à estrada para disputar mais sete Provas Especiais de Classificação. Nesta segunda etapa, a primeira PEC, uma novidade, será disputada parcialmente na malha urbana de Vila Velha de Ródão. O rali prossegue com passagem por Foz do Cobrão, após o que regressa novamente a Vila Velha de Ródão, para um reagrupamento, onde o publico poderá apreciar as máquinas em Parque Fechado. Depois de uma segunda passagem por Vila Velha de Ródão, o Rali regressa à cidade albicastrense.

A parte da tarde acontece com três PEC´s, com passagem repetida por Santo André das
Tojeiras e novamente passagem por Sarzedas. A sétima e última PEC do dia e Power Stage, a ser disputada já ao início da noite, bem no coração da cidade de Castelo Branco, a escassas centenas de metros do parque fechado e da "Fun Zone", decisão natural depois do enorme sucesso alcançado no ano passado.

Para Nuno Almeida Santos, diretor de prova, estão reunidos "todos os ingredientes para ser um Rali ao nível da excelência do Campeonato de Portugal de Ralis e assim promover a modalidade, contribuindo também para a promoção turística da região de Castelo Branco e Vila Velha de Ródão. Aguardamos a adesão do público, dos aficionados do automobilismo, para acompanhar o rali e incentivar as equipas, fazendo-o em segurança. Longe do perigo, perto da emoção!".

"A edição 2024 do Rali de Castelo Branco e Vila Velha de Rodão tem tudo para ser, uma vez mais, uma grande festa dos ralis, cimentando a sua importância como evento de referência da região, quer pelo seu impacto mediático, quer pela mais-valias para a economia da Beira Baixa", afirmou João Lucas, presidente da Escuderia de Castelo Branco, que realçou "o esforço profundo que foi feito pelo clube, em conjunto com aas autarquias envolvidas e os nossos parceiros e patrocinadores, para melhorar a prova, seja na parte desportiva, indo de encontro às sugestões dos pilotos e das equipas, seja na animação do evento, tornando-o mais apelativo e capaz de atrair mais público".

A Escuderia de Castelo Branco quer ainda transformar as duas noites do rali numa dupla "festa rija" que seja atraente para todo o tipo de público, sem se prender só com os aficionados dos ralis, sendo vasto o programa de animação que poderá ser saboreado pelos milhares que acorram ao centro da cidade de Castelo Branco.

 

CliotrophyPortugalO Clio Trophy Portugal, a grande novidade dos ralis nacionais deste ano, atraiu 11 equipas que estarão aos comandos dos Renault Clio Rally5, já a partir do Rally de Lisboa, esta sexta-feira e sábado.

Quatro décadas após a estreia oficial na competição, com um Renault 5 Turbo entregue à dupla Joaquim Moutinho / Edgar Fortes, a Renault Portugal está de regresso aos ralis com um novo projeto: o Clio Trophy Portugal. Um competitivo e acessível troféu, que começa por colocar na estrada 11 Renault Clio Rally5, tendo aos comandos jovens promessas e experientes pilotos.

Uma adesão muito positiva e que faz do Clio Trophy Portugal o troféu monomarca mais concorrido do Rally de Lisboa – Memorial Joaquim Santos, a primeira das cinco provas do calendário, totalmente disputado em pisos de asfalto.

Berço de campeões

Entre as 11 duplas de pilotos que se inscreveram na nova competição, há uma curiosa e interessante combinação de juventude e experiência, mas com um formato ideal para jovens pilotos que querem fazer carreira nos ralis, o Clio Trophy Portugal apresenta um excelente plantel 'Sub-28'.

Com apenas 18 anos (completados em abril), Carlos Marreiros Jr. é o "benjamim" do Clio Trophy Portugal – e um dos mais jovens do panorama nacional. O algarvio vai ter Nuno Duque como navegador.

Com 22 anos e depois de, na época passada, ter-se sagrado campeão nacional de todo-o-terreno na categoria T2, Luís Caetano aposta no Clio Trophy Portugal para uma carreira nos ralis. Volta a ser acompanhado por David Monteiro e parte com a experiência de três ralis realizados aos comandos do Clio Rally5.

Depois de ter começado pelo FPAK Junior Team, José Pedro Quintas (23 anos) é mais um jovem em ascensão nos ralis portugueses, tendo, este ano, Nuno Carvalhosa a seu lado no Clio Rally5.

Com 23 anos, Danny Carreira é outra jovem promessa que já deu excelentes indicações com o Clio Rally5, tendo agora Marco Vilas Boas como navegador.

Com 27 anos, Dário Rebelo vai fazer equipa com António Pereira. Uma dupla que chega ao Rally de Lisboa com a experiência de um rali cumprido aos comandos do Renault Clio Rally5.

Com 28 anos acabados de fazer e após ter vencido a Taça dos Campeões Regionais no ano passado (e o Challenge 1000cc em 2019), o Clio Trophy Portugal é agora a aposta de Pedro Pereira Jr., que vai ser navegado por Tiago Silva.

A idade pode ser um posto

Com mais de 40 anos e determinados em confirmar que a idade é um posto, cinco pilotos partem determinados em brilhar no Clio Trophy Portugal.

Gil Antunes é um desses exemplos, fazendo equipa com Diogo Correia. A dupla campeã de Portugal de Ralis 2 Rodas Motrizes, em 2019, na altura, com um Renault Clio RS R3T. Outro é Henrique Azenha. Nas duas últimas temporadas, participou com o seu Clio Rally5 em vários ralis na região Centro e sempre com Hugo Marques como navegador. Também com bastante experiência, inclusivamente com vários ralis feitos aos comandos do Clio Rally5, mas também do Rally4, Nuno Coelho vai fazer dupla com Ricardo Cunha. Antigo campeão regional Centro e Douro, Paulo Barata é outro nome experiente que gostou da fórmula competitiva e do desafio do Clio Trophy Portugal, regressando agora à competição, acompanhado por Roberto Santos. Depois de mais de duas décadas de participações em ralis no sul do país, o algarvio Vasco Tintim dá o "salto" para o Clio Trophy Portugal, com Francisco Ponte como navegador.

O carro

O Renault Clio Rally5 é o mais vitorioso carro da categoria Rally5 da FIA, tendo já conquistado 24 triunfos no Campeonato do Mundo de Ralis (WRC). Com 180 cavalos de potência, caixa de velocidades sequencial, diferencial autoblocante e com um custo de aquisição significativamente abaixo de outras propostas do mesmo âmbito, o Clio Rally5 é a máquina ideal para um competitivo troféu monomarca. A comprová-lo estão os diferentes troféus nacionais (de ralis) e internacionais (de velocidade) que utilizam o modelo produzido pela Alpine Racing que, desde 2020, já construiu mais de 800 unidades das versões de competição do Clio (incluindo os Clio Rally3, Clio Rally4 e Clio Rally5).

QUEM É QUEM NO CLIO TROPHY PORTUGAL

#27 Gil Antunes / Diogo Correia

Com uma longa ligação aos Renault e Dacia nos ralis, iniciada em 2015 com o Clio R3, Gil Antunes é um dos nomes sonantes que não resistiu ao apelo do Clio Trophy Portugal. O ex-campeão nacional de 2 Rodas Motrizes (e vencedor do Desafio Modelstand) volta a ser acompanhado pelo também consagrado Diogo Correia.

#28 Pedro Pereira Jr. / Tiago Silva

Pedro Pereira Jr. começou a dar nas vistas nos troféus de iniciação nos ralis e, entretanto, já construiu um interessante palmarés com Tiago Silva: vencedor da Taça de Campeões Regionais, vencedor do Challenge 1000cc e vencedor da Taça de Portugal na classe P1. O Clio Trophy Portugal é, por isso, o passo lógico na carreira deste jovem piloto e engenheiro mecânico.

#29 Danny Carreira / Marco Vilas Boas

Danny Carreira vive em Genebra, na Suíça, mas nunca escondeu a paixão pelos ralis em Portugal. Aos 23 anos, o jovem piloto português já conhece bem o Renault Clio Rally5 e aposta em lutar pelos lugares cimeiros no Clio Trophy Portugal, agora navegado pelo experiente Marco Vilas Boas.

#30 Nuno Coelho / Ricardo Cunha

A carreira de Nuno Coelho nos ralis começou há mais de duas décadas, mas o piloto do Porto fez um interregno até 2021, quando regressou ao volante das versões Rally4 e Rally5 do Renault Clio. Adepto de jiu-jitsu e de karting, não virou a cara ao desafio do Clio Trophy Portugal, onde vai formar uma dupla muito experiente e competitiva com Ricardo Cunha.

#31 Luís Caetano / David Monteiro

Com apenas 22 anos, Luís Caetano é uma das jovens promessas dos ralis nacionais, para onde virou a sua carreira após ter começado no karting e depois de se sagrar campeão nacional de todo-o-terreno, em 2023, na categoria T2. Desde o início do ano, o jovem piloto de Leiria tem acumulado experiência ao volante do Clio Rally5, com outro ex-campeão de TT a seu lado, o conterrâneo David Monteiro.

#32 José Pedro Quintas / Nuno Carvalhosa

José Pedro Quintas é outro jovem valor lançado pelo troféu FPAK Junior Team, em 2022. Aos 23 anos, o jovem piloto de Viana do Castelo aposta no Clio Trophy Portugal para confirmar a sua trajetória ascendente, depois de ano passado ter ficado perto do pódio no Campeonato de Portugal de Ralis Júnior (4.º lugar). Confia na experiência de Nuno Carvalhosa para o apoiar.

#33 Carlos Marreiros Jr. / Nuno Duque

Tem apenas 18 anos – completados no final de abril – e é o 'benjamim' do Clio Trophy Portugal. Carlos Marreiros Jr. vem de uma família com tradição na competição e fez o seu primeiro rali em 2022, quando tinha apenas 16 anos! Natural de Portimão, o jovem algarvio estreia-se com um Rally5 e é mais um nome a seguir com atenção, sempre com Nuno Duque a seu lado.

#34 Vasco Tintim / Francisco Ponte

Vasco Tintim acumulou uma vasta experiência ao longo de mais de duas décadas nos ralis, conquistando os títulos da classe X7 no Campeonato Start Sul, no ano passado, e da Promoção do Regional Sul, em 2006. O piloto algarvio, que inclusive já foi navegado pela filha, Filipa Tintim, quer agora mostrar a sua competitividade no pelotão do Clio Trophy Portugal, onde terá Francisco Ponte como navegador.

#35 Dário Rebelo / António Pereira

Natural de Vieira do Minho, Dário Rebelo cresceu numa região apaixonada pelos ralis. Foi, por isso, com naturalidade que, ele próprio, começou a dar nas vistas ao volante de carros de duas rodas motrizes. Estreou-se com o Clio Rally5 no último Rali de Famalicão, já em preparação para o novo troféu da Renault, onde será navegado por António Pereira.

#36 Henrique Azenha / Hugo Marques

Empresário e entusiasta dos ralis, Henrique Azenha encontrou no Renault Clio Rally5 o carro ideal para a sua carreira, em 2023, tendo desde então acumulado vitórias à classe com a máquina da Alpine Racing. Estreia-se agora num troféu monomarca, com Hugo Marques como co-piloto.

#37 Paulo Barata / Roberto Santos

Paulo Barata é um nome conhecido dos ralis nacionais, onde fez carreira com carros de duas e quatro rodas motrizes. Foi campeão regional Centro em 2004 e campeão regional Douro em 2009, regressando agora aos carros de tração dianteira no Clio Trophy Portugal. Convidou o experiente Roberto Santos para este novo desafio.

CALENDÁRIO CLIO TROPHY PORTUGAL 2024

6 a 8 de junho Rally de Lisboa – Memorial Joaquim Santos

21 e 22 de junho Rali de Castelo Branco

30 e 31 de agosto Constálica Rallye Vouzela e Viseu

13 e 14 de setembro Rali da Água Transibérico Eurocidade Chaves-Verín

12 e 12 de outubro Rallye Vidreiro Centro de Portugal

 

meekerpPela quarta vez em quatro provas do campeonato de Portugal de Ralis, Kris Meeke tornou-se por mérito próprio o "rei da terra", conseguindo obter um feito inédito no Campeonato de Portugal de Ralis, somando o número máximo de pontos que poderia obter nesta fase da competição.

Mais uma vez e a exemplo das provas anteriores, Meeke levou o seu Hyundai à vitória depois de comandar durante todas as nove especiais e classificação. Sem problemas de maior no seu Hyundai, Meeke teve, contudo, que refrear ligeiramente o seu andamento na secção da tarde, depois de um problema com a proteção de carter. Nada que não lhe permite-se ainda vencer a Power Stage e, dessa forma, não passar "cartão" a nenhum dos seus adversários portugueses.

Nesta prova, Armindo Araújo (que ainda venceu duas especiais de classificação a Meeke) teve na luta pelo segundo lugar Ricardo Teodósio, mas ainda na parte da manhã o seu Hyundai com problemas de direção assistida, fizeram o piloto algarvio perder muito tempo, arrastando-se até final da prova, o que não lhe permitiu melhor que um 10º lugar da geral.

Com quem Araújo não contava na luta pelo segundo lugar era com José Pedro Fontes. Renascido ao volante do seu Citroen, José Pedro Fontes andou sempre muito próximo de Armindo Araújo ao longo de toda a prova, mas chegou à derradeira com mais de 9s de diferença para o piloto do Skoda, quando este tinha ganho precisamente a penúltima especial. Porém, problemas elétricos no caro de Armindo Araújo na Power Stage, não lhe permitiram segurar a posição e dessa forma acabaria por descer ao 3º lugar trocando de posição com o seu adversário do Citroen.

Pedro de Almeida voltou a ter uma exibição muito consistente. Não conseguiu acompanhar com o seu Skoda o ritmo dos primeiros, mas conseguiu impor-se com alguma facilidade no segundo pelotão, alcançando o 4º lugar da geral de forma isolado e sem ser apoquentado por ninguém.

Logo atrás posicionou-se Ernesto Cunha, que nunca esteve na luta pela posição acima, mas na parte da manhã teve ainda que contar com a oposição de Lucas Simões, que desta vez acabou por capotar e deixar a prova muito cedo. Concentrado, Ernesto Cunha acabour por ser um calmo 5º classificado, saindo do Rali de Portugal com um imenso sorriso nos lábios já que ascendeu ao terceiro lugar do CPR após a fase de terra.

Quanto a Paulo Neto acabou na sexta posição, num rali em que não conseguiu acompanhar o ritmo de Ernesto Cunha, mas a posição do piloto do Mafra permite-lhe tambºem sair da fase de terra com o 4º lugar, por exemplo, na frente de Fontes e de Teodósio!!!

Nas duas rodas motrizes, Gonçalo Henriques não teve quaisquer adversários vencendo com grande margem para a concorrência ao volante do seu Renault Clio. Hugo Lopes desistiu no quarto troço com problemas no eixo da roda traseira, pelo que Hélder Miranda, Rafael Cardeira e Pedro Silva ficaram na luta pelo segundo lugar, que viria a ser favorável ao primeiro. Cardeira desistia a Pedro Silva descia ainda um lugar depois de alguns problemas, pelo que foi Anton Korzun a subir ao terceiro lugar do pódio.

Em jeito de balanço, fica mais uma vez provado que o Rally de Portugal não deveria contar para o CPR, atendendo à fraca competitividade existente entre os pilotos e à fraquíssima visibilidade que os mesmos têm, numa prova que não é pensada nem desenahda para os concorrentes nacionais.

VENCEDEDORES DE TROÇOS
Kris Meeke (7); Armindo Araújo (2)

COMANDANTES SUCESSIVOS
Kris Meeke (Pec 1 a 9)

CLASSIFICAÇÃO FINAL
1º, Kris Meeke/Stuart Loudon (Hyundai i20 N Rally2), 1h32m24.7s
2º, José Pedro Fontes/Inês Ponte (Citroen C3 Rally2), a 1m24.0s
3º, Armindo Araújo/Luís Ramalho (Skoda Fabia RS Rally2), a 1.33.3
4º, Pedro Almeida/Mário Castro (Skoda Fabia Rally2 evo), a 2.42.7
5º, Ernesto Cunha/Rui Raimundo (Skoda Fabia Rally2 evo), a 4.32.8
6º, Paulo Neto/Nuno Mota Ribeiro (Skoda Fabia Rally2 evo), a 5.44.4
7º, Gonçalo Henriques/Inês Veiga (Renault Clio Rally4), a 11.10.6
8º, Hélder Miranda/Vítor Pereira (Peugeot 208 Rally4), a 14.2.0
9º, Anton Korzun/Pavlo Kononov (Peugeot 208 Rally4), a 14.35.2
10º, Ricardo Teodósio/José Teixeira (Hyundai i20 N Rally2), a 17.46.9

2RM
1º, Gonçalo Henriques/Inês Veiga (Renault Clio Rally4), 1h42m35.3s
2º, Hélder Miranda/Vítor Pereira (Peugeot 208 Rally4), a 3.01.4
3º, Anton Korzun/Pavlo Kononov (Peugeot 208 Rally4), a 3.24.6
4º, Pedro Silva/Fábio Santos (Peugeot 208 Rally4), a 6.37.0

CAMPEONATOS
Absoluto (classificação oficiosa após 4 provas)
1º, Kris Meeke, 112 pontos; 2º, Armindo Araújo, 84; 3º, Ernesto Cunha, 42; 4º, Paulo Neto, 38; 5º, José Pedro Fontes, 37; 6ºs, Lucas Simões e Pedro Almeida, 32; 8º, Ricardo Teodósio, 30; 9ºs, Rúben Rodrigues e Ricardo Filipe, 18; 11ºs, Pedro Meireles e Hugo Lopes, 12.

2RM (classificação oficiosa)
1º, Gonçalo Henriques, 56 pontos; 2º, Hugo Lopes, 55; 3º, Ricardo Sousa, 35; 4º, Anton Korzun, 32; 5º, Pedro Pereira, 30.

armirpPela décima oitava vez na sua carreira, Armindo Araújo estará à partida do Rali de Portugal e fazer parte daquela que é a maior prova do desporto automóvel realizada no nosso país. Conquistar o prémio de melhor piloto português é, uma vez mais, o grande objetivo na prova organizada pelo ACP.

Num rali que é caracteristicamente duro, sobretudo na etapa disputada na zona centro, Armindo Araújo parte para a edição 2024 do Rali de Portugal com o mesmo entusiasmo com que alinhou na sua primeira participação. "Para mim é sempre uma satisfação enorme poder disputar mais um Rali de Portugal. É a nossa maior prova do ano, aquela que ansiamos desde o início da temporada e que nos traz sempre uma motivação extra por fazer parte do campeonato do mundo. É a décima oitava vez que vou alinhar à partida deste rali e com o objetivo de conseguir pela décima terceira, ser o melhor piloto português no final", começa por dizer.

Com a classificação do Campeonato de Portugal de Ralis a ser retirada no final da primeira etapa, a dupla do Skoda Fabia RS tem bem definida a estratégia para os quatro dias que terão pela frente. "Contando apenas as classificativas do primeiro dia para as contas do CPR, é importante conseguirmos imprimir um bom ritmo desde o início e fazer tudo para conseguirmos amealhar o maior número de pontos. Os troços da zona centro são caracteristicamente duros e temos, por isso, que ajustar o nosso andamento para não comprometer a parte mecânica. No sábado e domingo já sem contas para fazermos vamos desfrutar mais e gerir o andamento para que possamos subir ao pódio na frente de todos os portugueses", afirma Armindo Araújo.