faceralis

 

posvendaclick

CPR

marques1111Ricardo Marques quer continuar a sua carreira no Campeonato de Portugal de Ralis (CPR2) em 2011, depois de uma época interessante em 2010.

O piloto já colocou a hipótese de correr com um novo DS3 R3T, mas o mesmo considerou que "é muito complicado colocar de pé projectos no valor de 150.000 euros".

Como tal o piloto da zona de Vieira do Minho estuda outras hipóteses, que poderão passar pela manutenção do Citroen C2 R2 MAX ou então um Renault Clio R3.

"Está tudo em aberto neste momento", diz o piloto, que garante que "estamos a trabalhar para estarmos presentes no Rali Torrié".

O objectivo, segundo o piloto "é poder lutar pelas duas rodas motrizes, depois de um ano de 2010 em que aprendi muito e ganhei ritmo".

pasoalbal10Vitor Pascoal pode-se considerar como sendo o Campeão Nacional de Ralis dos Privados, depois de mais uma vez se ter sagrado vice-campeão português absoluto.

Numa época em que lutou contra um orçamento apertado e um 207 S2000 pouco competitivo, bem se pode dizer que a época 2010 dificilmente poderia ter sido melhor.

Qual o Balanço da temporada 2010?
Embora não tenha tido o desfecho que ambicionávamos, penso que só poderemos fazer um balanço positivo da temporada de 2010. Conseguimos alcançar mais uma vez o Vice-Campeonato e estar na luta pelo título até ao final do ano. Não tendo argumentos para nos impormos tecnicamente e com um budget limitado como o nosso, era essencial não cometermos qualquer erro para mantermos as aspirações ao título.

Momentos marcantes de 2010?
Os momentos marcantes ficarão associados ao Rali Torrié, Portugal, Açores e Mortágua. No Torrié, embora tenhamos beneficiado de problemas dos nossos adversários, ficámos a apenas 6,2s da vitória! No Rali de Portugal e Açores, tivemos problemas que nos afastaram irremediavelmente de um bom resultado, o que foi desastroso para a luta pelo título. Em Mortágua, embora o Campeonato tenha ficado decidido a favor dos nossos adversários, penso que fizemos um bom rali e demos um último passo para a revalidação do Vice-Campeonato.

Quais os projectos e certezas para 2011?
A única certeza que temos para 2011 é que o Campeonato de Portugal de Ralis continua no mau caminho! Temos como objectivo vender o Peugeot 207 S2000 porque, com o cenário actual, muito dificilmente conseguiremos um budjet para entrar na luta pelo Campeonato. Penso que o regulamento para 2011 está a dar mais um passo atrás, não me parecendo correcto que sejam sempre os pilotos a pagar essa "factura". Ficou provado no TT em 2010 que a escolha das provas a pontuar não funciona mas, mesmo assim, vai aplicar-se essa regra aos Ralis em 2011!!! Uma equipa com um budjet como a nossa, à partida, escolherá as provas pequenas... mas então, quem nos garante que nas últimas provas do Campeonato haverá um mínimo de 15 concorrentes para que os pontos contem na totalidade? Não me parece que a verdade desportiva esteja assegurada quando, além deste cenário, as provas grandes sejam sempre mais vantajosas por haver a possibilidade de pontuar, mesmo depois de uma desistência! Penso que, mais uma vez, é um regulamento à medida de quem tem grandes orçamentos, o que não vai de encontro à crise que o País atravessa, desmotivando, evidentemente, qualquer tentativa de um projecto realista!

brevesvilam210Tal como vinha sucedendo desde 2009 em relação a três das provas dos Campeonatos de Portugal de Ralis (o Rali Centro de Portugal, o Rali de Mortágua e o Rali Casinos do Algarve) que já tinham a si agregadas provas dos Campeonatos Regionais de Ralis da respectiva zona geográfica, a FPAK decidiu oportunamente alargar tal situação a todas as outras três provas que integram o CPR 2 L/ 2RM em 2011.

Tendo em conta tal situação, os Clubes Organizadores dessas provas, no sentido de poderem ver aumentadas as listas de inscritos das suas provas, propuseram em reunião efectuada em 29.12.2010 na Sede da FPAK, a criação de uma nova competição que integrasse essas mesmas seis provas, e na qual poderiam também participar todas as viaturas e Condutores que participam habitualmente nos Campeonato Open de Ralis e Campeonatos Regionais de Ralis.

Analisada a proposta dos Clubes, que mereceu total acolhimento por parte da FPAK, acordaram-se então os princípios e normas pelas quais se regerá essa nova competição, que se designará como Taça de Portugal de Ralis (TPR) e que são os seguintes:
- Viaturas admitidas: todas as viaturas que são admitidas nos regulamentos dos Campeonato Open de Ralis e Campeonatos Regionais de Ralis 2011.
- Classificação: tendo em consideração que, quer no COR, quer no CPR 2, são admitidas a participar todas as viaturas que possuam homologação FIA em vigor (A, N ou R), mas cuja cilindrada nominal seja igual ou inferior a 2000 cc e não disponham de quatro rodas motrizes, foi acordado que nesta nova competição, não seriam considerados para a sua classificação os Condutores oficialmente inscritos nos CPR 2011.
- Fórmula das provas:
a) Tendo em consideração que a quilometragem média do total das Provas Especiais do CPR 2, é sensivelmente o dobro das provas dos Regionais de Ralis, e no sentido de proteger os Concorrentes dos Regionais, os Organizadores delinearão as suas provas de forma a que estes cumpram apenas a primeira parte da prova do CPR2 (1ª ou 1ª e 2ª Secção) disputando um máximo de 40 a 50 km de Provas Especiais.
Sendo então criado um reagrupamento no final dessa (última) Secção, onde terminará para efeitos da definição da classificação final, a prova dos Regionais de Ralis.
b) Os concorrentes que disputem a Taça de Portugal de Ralis, e sem prejuízo da pontuação que tenham obtido para os Regionais de Ralis em que se encontrem oficialmente inscritos, manter-se-ão em prova e completarão o mesmo percurso total (incluindo PE's) da prova do CPR2.
- Taxas de inscrição nas provas: todos os Clubes Organizadores destas seis provas, concordaram em estabelecer um valor igual para as taxas de inscrição nas suas provas de 2011 e que será o seguinte:
- CPR e CPR2 € 1 100,00 com seguro incluído
- Taça de Portugal € 350,00 + Seguro da prova
- Campeonato Regional € 250,00 + Seguro da prova

Pontuação da Taça de Portugal de Ralis

Os concorrentes dos Campeonatos Regionais poderão igualmente pontuar nesta Taça, desde que sejam detentores de Licença Desportiva Regional ou Nacional e na altura da sua inscrição na prova formalizem essa intenção, cumprindo consequentemente a totalidade da prova.

Regulamento da Taça de Portugal de Ralis 2011

O regulamento definitivo da Taça de Portugal de Ralis 2011 será elaborado pelos serviços da FPAK e será submetido para aprovação final da Direcção da FPAK na sua próxima reunião a efectuar em 17 de Janeiro de 2011.

Comunicado FPAK

ds3janeiro11O Site dos Campeões tem vindo a acompanhar a montagem do Citroen DS3 R3T com que Paulo neto irá correr no Campeonato de Portugal de Ralis.

Das 7.000 peças, nem todas estão ainda nas instalações onde o carro está a ser montado, muitas delas já estão na coque do DS3, com destaque para as suspensões que já estão no sitio.

As portas foram totalmente despidas de todos os seus elementos interiores, ganhando-se no peso, acabando os atrasos na montagem a deverem-se a pequenos pormenores.

Por isso, continua a não ser possível ter uma previsão para estar concluído todo o processo de montagem do carro, mas o mesmo deverá conhecer agora uma dinâmica maior depois do período de férias terminar.

Fotos da montagem do Citroen DS3 R3T

teodregbeja10A apresentação do Rali Torrié, que abordaremos mais tarde, acbou por ter uma novidade que não se prende com a prova em si mas sim com o própria Campeonato de Portugal de Portugal.

De facto, foi anunciado por Ângelo Pinto da Fonseca da FPAK a criação de uma "Taça Nacional de Ralis" (o nome ainda não está definido) que irá permitir que todos os carros que correm no Open (nomeadamente os VSH) possam pontuar nas provas do CPR e CPR2 (ficam de fora as provas internacionais).

Esta proposta foi apresentada por um grupo de trabalho - que incluía os seis clubes que organizam essas provas (mais um elemento do Gondomar Automóvel Sport) - à FPAK no final do mês de Dezembro, estando agora a entidade federativa a desenhar o regulamento final.

Assim, esta Taça consiste em que os VSH (e restasntes carros do Open) possam fazer na integra as provas do CPR, podendo até ganhar o ralis à geral, e simultaneamente pontuar para o regional caso estejam inscritos nele.

Trata-se de um esquema semelhante ao apresentado pelo Rali Casinos do Algarve em 2009 e 2010, com algumas variantes, mas que de momento a FPAK ainda não divulgou, podendo estar próximo da Taça de Ralis da Madeira.

Um dos elementos deste grupo de trabalho falou "da boa aceitação das propostas por parte da FPAK", mas outro elemento revelou algumas reservas face ao regulamento em si que irá ditar a versão final desta Taça.

No fundo esta "Taça" será uma espécie daquilo que deverá ser o CPR, aberto a todos os carros e se não houvessem provas internacionais.