faceralis

 

penafielracingfest

CPR

meekerpPela quarta vez em quatro provas do campeonato de Portugal de Ralis, Kris Meeke tornou-se por mérito próprio o "rei da terra", conseguindo obter um feito inédito no Campeonato de Portugal de Ralis, somando o número máximo de pontos que poderia obter nesta fase da competição.

Mais uma vez e a exemplo das provas anteriores, Meeke levou o seu Hyundai à vitória depois de comandar durante todas as nove especiais e classificação. Sem problemas de maior no seu Hyundai, Meeke teve, contudo, que refrear ligeiramente o seu andamento na secção da tarde, depois de um problema com a proteção de carter. Nada que não lhe permite-se ainda vencer a Power Stage e, dessa forma, não passar "cartão" a nenhum dos seus adversários portugueses.

Nesta prova, Armindo Araújo (que ainda venceu duas especiais de classificação a Meeke) teve na luta pelo segundo lugar Ricardo Teodósio, mas ainda na parte da manhã o seu Hyundai com problemas de direção assistida, fizeram o piloto algarvio perder muito tempo, arrastando-se até final da prova, o que não lhe permitiu melhor que um 10º lugar da geral.

Com quem Araújo não contava na luta pelo segundo lugar era com José Pedro Fontes. Renascido ao volante do seu Citroen, José Pedro Fontes andou sempre muito próximo de Armindo Araújo ao longo de toda a prova, mas chegou à derradeira com mais de 9s de diferença para o piloto do Skoda, quando este tinha ganho precisamente a penúltima especial. Porém, problemas elétricos no caro de Armindo Araújo na Power Stage, não lhe permitiram segurar a posição e dessa forma acabaria por descer ao 3º lugar trocando de posição com o seu adversário do Citroen.

Pedro de Almeida voltou a ter uma exibição muito consistente. Não conseguiu acompanhar com o seu Skoda o ritmo dos primeiros, mas conseguiu impor-se com alguma facilidade no segundo pelotão, alcançando o 4º lugar da geral de forma isolado e sem ser apoquentado por ninguém.

Logo atrás posicionou-se Ernesto Cunha, que nunca esteve na luta pela posição acima, mas na parte da manhã teve ainda que contar com a oposição de Lucas Simões, que desta vez acabou por capotar e deixar a prova muito cedo. Concentrado, Ernesto Cunha acabour por ser um calmo 5º classificado, saindo do Rali de Portugal com um imenso sorriso nos lábios já que ascendeu ao terceiro lugar do CPR após a fase de terra.

Quanto a Paulo Neto acabou na sexta posição, num rali em que não conseguiu acompanhar o ritmo de Ernesto Cunha, mas a posição do piloto do Mafra permite-lhe tambºem sair da fase de terra com o 4º lugar, por exemplo, na frente de Fontes e de Teodósio!!!

Nas duas rodas motrizes, Gonçalo Henriques não teve quaisquer adversários vencendo com grande margem para a concorrência ao volante do seu Renault Clio. Hugo Lopes desistiu no quarto troço com problemas no eixo da roda traseira, pelo que Hélder Miranda, Rafael Cardeira e Pedro Silva ficaram na luta pelo segundo lugar, que viria a ser favorável ao primeiro. Cardeira desistia a Pedro Silva descia ainda um lugar depois de alguns problemas, pelo que foi Anton Korzun a subir ao terceiro lugar do pódio.

Em jeito de balanço, fica mais uma vez provado que o Rally de Portugal não deveria contar para o CPR, atendendo à fraca competitividade existente entre os pilotos e à fraquíssima visibilidade que os mesmos têm, numa prova que não é pensada nem desenahda para os concorrentes nacionais.

VENCEDEDORES DE TROÇOS
Kris Meeke (7); Armindo Araújo (2)

COMANDANTES SUCESSIVOS
Kris Meeke (Pec 1 a 9)

CLASSIFICAÇÃO FINAL
1º, Kris Meeke/Stuart Loudon (Hyundai i20 N Rally2), 1h32m24.7s
2º, José Pedro Fontes/Inês Ponte (Citroen C3 Rally2), a 1m24.0s
3º, Armindo Araújo/Luís Ramalho (Skoda Fabia RS Rally2), a 1.33.3
4º, Pedro Almeida/Mário Castro (Skoda Fabia Rally2 evo), a 2.42.7
5º, Ernesto Cunha/Rui Raimundo (Skoda Fabia Rally2 evo), a 4.32.8
6º, Paulo Neto/Nuno Mota Ribeiro (Skoda Fabia Rally2 evo), a 5.44.4
7º, Gonçalo Henriques/Inês Veiga (Renault Clio Rally4), a 11.10.6
8º, Hélder Miranda/Vítor Pereira (Peugeot 208 Rally4), a 14.2.0
9º, Anton Korzun/Pavlo Kononov (Peugeot 208 Rally4), a 14.35.2
10º, Ricardo Teodósio/José Teixeira (Hyundai i20 N Rally2), a 17.46.9

2RM
1º, Gonçalo Henriques/Inês Veiga (Renault Clio Rally4), 1h42m35.3s
2º, Hélder Miranda/Vítor Pereira (Peugeot 208 Rally4), a 3.01.4
3º, Anton Korzun/Pavlo Kononov (Peugeot 208 Rally4), a 3.24.6
4º, Pedro Silva/Fábio Santos (Peugeot 208 Rally4), a 6.37.0

CAMPEONATOS
Absoluto (classificação oficiosa após 4 provas)
1º, Kris Meeke, 112 pontos; 2º, Armindo Araújo, 84; 3º, Ernesto Cunha, 42; 4º, Paulo Neto, 38; 5º, José Pedro Fontes, 37; 6ºs, Lucas Simões e Pedro Almeida, 32; 8º, Ricardo Teodósio, 30; 9ºs, Rúben Rodrigues e Ricardo Filipe, 18; 11ºs, Pedro Meireles e Hugo Lopes, 12.

2RM (classificação oficiosa)
1º, Gonçalo Henriques, 56 pontos; 2º, Hugo Lopes, 55; 3º, Ricardo Sousa, 35; 4º, Anton Korzun, 32; 5º, Pedro Pereira, 30.

armirpPela décima oitava vez na sua carreira, Armindo Araújo estará à partida do Rali de Portugal e fazer parte daquela que é a maior prova do desporto automóvel realizada no nosso país. Conquistar o prémio de melhor piloto português é, uma vez mais, o grande objetivo na prova organizada pelo ACP.

Num rali que é caracteristicamente duro, sobretudo na etapa disputada na zona centro, Armindo Araújo parte para a edição 2024 do Rali de Portugal com o mesmo entusiasmo com que alinhou na sua primeira participação. "Para mim é sempre uma satisfação enorme poder disputar mais um Rali de Portugal. É a nossa maior prova do ano, aquela que ansiamos desde o início da temporada e que nos traz sempre uma motivação extra por fazer parte do campeonato do mundo. É a décima oitava vez que vou alinhar à partida deste rali e com o objetivo de conseguir pela décima terceira, ser o melhor piloto português no final", começa por dizer.

Com a classificação do Campeonato de Portugal de Ralis a ser retirada no final da primeira etapa, a dupla do Skoda Fabia RS tem bem definida a estratégia para os quatro dias que terão pela frente. "Contando apenas as classificativas do primeiro dia para as contas do CPR, é importante conseguirmos imprimir um bom ritmo desde o início e fazer tudo para conseguirmos amealhar o maior número de pontos. Os troços da zona centro são caracteristicamente duros e temos, por isso, que ajustar o nosso andamento para não comprometer a parte mecânica. No sábado e domingo já sem contas para fazermos vamos desfrutar mais e gerir o andamento para que possamos subir ao pódio na frente de todos os portugueses", afirma Armindo Araújo.

fontesrpQuarta prova do Campeonato de Portugal de Ralis (CPR) e parte integrante do Campeonato do Mundo de Ralis (WRC), o Rali de Portugal contará com o C3 Rally2 do Citroën Rally Team, estando José Pedro Fontes e Inês Ponte preparados para marcar presença na chamada "grande festa dos ralis em Portugal" com objetivos muito claros.

Organizada pelo ACP Motorsport e decorrendo apenas duas semanas depois sobre a aziaga participação no Rali Terras d'Aboboreira, a estrutura da Sports & You já se encontra preparada a 100 por cento para a prova, com um C3 Rally2 no máximo das suas especificações para que a dupla possa enfrentar a prova máxima do calendário de ralis nacional.

Mantendo como objetivo a luta pela conquista de um terceiro título de Portugal de Ralis, a popular dupla do C3 Rally2 pretende amealhar o maior número de pontos nesta prova, minimizando, assim, os resultados menos conseguidos nas anteriores duas jornadas do CPR 2024, para, a partir de Castelo Branco, apontar definitivamente às vitórias na fase de asfalto da competição portuguesa, um palco onde o modelo da Citroën tem demonstrado as suas valências.

Ultimando os reconhecimentos para o Rali de Portugal, José Pedro Fontes reconhece que "este é um rali que, ao longo dos últimos anos, não nos tem sido simpático, juntando-se o facto de que este início de época também não decorreu como previsto, nomeadamente com a desistência no Algarve e Aboboreira, que nos deixou bastante desapontados. Porém, temos de encarar estas dificuldades como algo próprio dos ralis e enfrentar a edição 2024 do Rali de Portugal com um espírito positivo, colocando plena confiança no trabalho realizado pelos técnicos da Sports & You, que nos prepararam o C3 Rally2, deixando-o apto a enfrentar esta difícil prova."

"Quanto aos objetivos da equipa são simples: preservar o carro nos pisos mais duros e tentar, com essa estratégia, mantermo-nos nos lugares da frente, apontando a uma posição no pódio do CPR, e com isso amealhar o máximo de pontos para o campeonato, no conjunto dos troços que compõem a primeira etapa do rali, fase que conta para o CPR. É um rali com uma gestão completamente diferente dos ralis 'sprint' do restante CPR, que vamos tentar terminar sem problemas. A história deste rali diz que quem acaba sem nenhum percalço obtém um bom resultado", acrescentou o piloto do C3 Rally2 que nesta prova, e ao contrário do que acontece nas restantes do CPR 2024, terá o n.º 44.

O objetivo da dupla portuguesa para a edição 2024 do Rali de Portugal é, assim, somar o máximo de pontos nos nove troços da 1ª Etapa, que conta para o CPR – a Super Especial da Figueira da Foz de quinta-feira (9 de maio) e a demolidora sequência Mortágua, Lousã, Góis e Arganil, na sexta-feira (10 de maio), troços de dupla passagem, num total de 129,84 quilómetros cronometrados.

Para o efeito, José Pedro Fontes deixa um repto a todos os que vão para a estrada seguir o Rali de Portugal: "Gostaria de deixar um pedido aos nossos adeptos que são, sem sombra de dúvida, os melhores do mundo: vejam o rali em segurança, não originem situações que possam colocar em causa o normal desenrolar da prova e façam a festa longe do perigo, cuidando também das florestas. Façam parte da festa em segurança!"

teorpÉ o rali dos ralis. O Rally de Portugal é a grande festa do desporto motorizado em Portugal, move paixões e a dupla algarvia Ricardo Teodósio – José Teixeira querem estar ao mais alto nível, lutando pelo triunfo na competição Nacional, alternando mais tarde o foco para ser o melhor português em prova! O Rally de Portugal é uma organização do Automóvel Club de Portugal, sendo que a prova, para além de pontuável para o WRC - Campeonato do Mundo de Ralis, fecha a temporada de terra do Campeonato de Portugal de Ralis.

"Tivemos um início de temporada difícil, que culminou com um toque, seguido de capotamento em Amarante. Naturalmente não era assim que, enquanto Campeões Nacionais em título, gostávamos de chegar ao Rally de Portugal, um rali especial para todos e onde sentimos, mais do que nunca, o carinho dos adeptos. Vamos lutar para dar a volta por cima e lutar pela vitória na competição nacional, como fazemos em todas as corridas onde participamos. É nestas alturas que se vê a raça do que somos feitos e vamos lutar por nós, por quem acredita no nosso projeto e por todos os que vestem as cores da família 24", garantiu Ricardo Teodósio antes de afirmar que "no sábado e domingo vamos continuar em prova para tentar lutar por ser os melhores portugueses, brindando o público com o espetáculo do costume!"

José Teixeira por seu lado deixou a garantia de empenho e dedicação a que a dupla nos tem habituado. "Quem nos conhece sabe que este início de temporada não está alinhado com o esforço e dedicação que metemos no trabalho que realizamos. Queremos dar a volta por cima o mais rápido possível e fechar a fase de terra com um bom resultado que nos sirva de motivação para o que resta da temporada."

ernestrpErnesto Cunha e Rui Raimundo irão enfrentar, já a partir da próxima quinta-feira, os desafios do Rali de Portugal, prova integrada no circuito do WRC - Campeonato do Mundo de Ralis. A dupla, que chega à prova no 4º posto do Campeonato de Portugal de Ralis, quer lutar pelos lugares cimeiros desta competição para manter a posição no Campeonato e encerrar a fase de Terra com "Chave de Ouro".

Após um excelente resultado no Rali Terras d'Aboboreira, a dupla do Skoda Fabia Rally2 Evo chega ao Rali de Portugal na 4ª posição do Campeonato de Portugal de Ralis. Ernesto Cunha não esconde que quer lutar pelas primeiras posições para fechar a fase de terra da melhor forma. Percorridos os quilómetros relativos à prova nacional, a equipa irá cumprir o traçado completo do WRC2 num derradeiro teste de competitividade e resistência.

"No que toca ao Campeonato de Portugal de Ralis, vamos pôr em prática toda a experiência acumulada nas 3 últimas provas, pois queremos agarrar o maior número de pontos possíveis para manter a posição no campeonato. Estamos conscientes da dureza da prova e que o nosso trabalho se concentra ao longo do dia de sexta-feira, onde vamos à procura de um bom ritmo, protegendo a mecânica do carro para garantir a conclusão da prova nacional", começa por referir Ernesto Cunha.

As ambições não ficam pela prova dedicada ao CPR, uma vez que a equipa irá disputar o traçado completo do WRC2, querendo desfrutar ao máximo e acumular experiência importante para o resto da época: "É a primeira vez que faço o Rali de Portugal completo e será certamente uma boa oportunidade para medirmos o nosso andamento face ao melhores pilotos do mundo. Sabemos que é difícil lutar pelos primeiros lugares nesta competição e o nosso grande objetivo será chegar ao fim da prova."