faceralis

 

guiaaft

WRC

leobespa10

O Rally da Catalunha foi hoje para a estrada pelo 19º ano consecutivo no calendário do wrc, onde o seu figurino regressou um pouco às edições o inicio dos anos 90 pois a prova espanhola voltou a ser em pisos mistos.

Talvez devido ao nevoeiro matinal que poderá ter humedecido os pisos de gravilha, Sébastien Loeb não perdeu tempo ao ser primeiro na estrada e até venceu o troço inaugural, tendo mesmo liderado durante todo o dia.

Ogier passou para a segunda posição na terceira especial e venceu a seguinte, permitindo-lhe secundar o campeão do mundo na classificação, com apenas 3,8s de desvantagem.

Jari-Matti Latvala está em boa forma e não perdeu muito terreno para os dois Citroën nos troços iniciais mas, nos dois últimos, o finlandês perdeu cerca de 10 segundos mas, manteve-se na terceira posição a 19,9s de Loeb.

Petter Solberg queixou-se de falta de tracção nas duas primeiras especiais mas, venceu as duas passagens em La Ribera d'Ebre e passou para a quarta posição da geral, estando a 2,5s de Latvala.

Mikko Hirvonen (5º) e Daniel Sordo (6º) ficaram uns furos abaixo daquilo que era esperado pois, se o finlandês confirmou mais uma vez estar com andamento inferior ao do seu companheiro de equipa, o espanhol era tido como um dos candidatos à vitória mas, no entanto, já se encontra a quase 1 minuto do líder.

Yeray Lemes dominou o primeiro dia no jwrc, sendo seguido pelos dois candidatos ao título, Hans Weijs Jr. (2º) e Aaron Burkart (3º).

Henning Solberg continua cada vez melhor ao volante do Fiesta S2000 pois, terminou o primeiro dia na 10ª posição da geral, na frente de Turan e Al-Qassimi com viaturas wrc.

LÍDERES DO RALI:
Sebastien Loeb (Pec 1 a 6)

VENCEDORES DE TROÇOS:
Sebastien Loeb (3); Petter Solberg (2); Sebastien Ogier (1)

CLASSIFICAÇÃO 1ºDIA (link)
1º Sebastien Loeb – Citroen C4 WRC 1h25m26,8s
2º Sebastien Ogier – Citroen C4 WRC a 3,8s
3º Jari Matti Latvala – Ford Focus WRC a 19,9s
4º Petter Solberg – Citroen C4 WRC a 22,4s
5º Mikko Hirvonen – Ford Focus WRC a 42,4
6º Daniel Sordo – Citroen C4 WRC a 54,7s
7º Mathew Wilson – Ford Focus WRC a 2m46,9s
8º Frederico Villagra – Ford Focus WRC a 3m21,2s
9º Ken Block – Ford Focus WRC a 3m42,8s
10º Henning Solberg – Ford Fiesta S2000 a 4m21,6s
Colaboração Ricardo Nascimento

logocata10A edição 2010 do Rali de Espanha - Catalunha, que vai para a estrada de 21 a 24 de Outubro, marca o regresso das provas do Mundial aos ralis mistos, isto é, com troços de terra e de asfalto ao longo dos três dias de competição.

Já no início da década de 90 o Rali da Catalunha possuía etapas em terra e em asfalto, o que volta a acontecer agora com o primeiro dia a incluir troços em terra, para no restante percurso de voltar aos pisos de asfalto das edições passados.

Por certo que a FIA não deixará de estar atenta a esta realidade, para depois a tentar promover (ou não) este tipo de provas para os próximos anos.

Desportivamente Sebastien Loeb será sempre o favorito, mas em Espanha, e com os títulos de pilotos e marcas já entregues, poderá ser o momento de Daniel Sordo.

Numa prova em que não existem pilotos portugueses, conheça no site oficial todas as informações sobre esta prova.

araujovencefra10Armindo Araújo e Miguel Ramalho conquistaram em França a terceira vitória do ano no PWRC e ficaram a um pequeno passo de conseguirem revalidar o título de Campeões do Mundo de Ralis Produção. Com o pleno alcançado nas duas provas em pisos de asfalto (Alemanha e França), a dupla portuguesa cumpriu a inteiramente os objectivos traçados e partem para o ultimo rali da temporada (Gales Rali GB) com uma vantagem de 18 pontos sobre Patrik Flodin, o único piloto com hipóteses matemáticas de lutar pelo ceptro.

Em Alsace, num rali muito difícil, Armindo Araújo evidenciou uma vez mais todas as suas credenciais e liderou da primeira à última etapa, deixando toda a concorrência a uma margem muito significativa. Um resultado que o piloto de Santo Tirso afirma ser fruto "do excelente trabalho realizado pela equipa antes das duas provas em asfalto. Chegamos à Alemanha e França muito competitivos e provamos isso mesmo com as vitórias que alcançamos. O Mitsubishi Lancer Evo X esteve ao mais alto nível e foi um óptimo aliado", começou por dizer o Campeão do Mundo.

Apesar de ter ultrapassado sem grandes adversidades quase todas as especiais do Rali de França, o piloto tirsense acabou por sofrer um enorme susto na derradeira classificativa, quando ficou sem travões logo na primeira curva. "Arrancamos no último troço e quando toquei no pedal percebi que tínhamos ficado sem o sistema de travagem. A especial era pequena e conseguimos chegar até à assistência apesar das dificuldades. É nestas situações que percebemos que a sorte ajuda sempre um pouco. Desta vez fomos felizes", sublinhou o actual líder do PWRC.

A conquista do bi-campeonato está agora pendente de um sexto lugar na derradeira prova, uma situação que não sendo de todo uma enorme exigência não permite baixar os braços. "É verdade que a nossa vantagem é excelente mas falta ainda uma prova. Como ficou visível aqui, é sempre preciso esperar pelo último metro para confirmarmos os resultados. Estamos muito motivados e confiantes mas vamos trabalhar e preparar o rali com a máxima preocupação. Obviamente que o nosso pensamento estará exclusivamente centrado na conquista do titulo", concluiu o piloto apoiado pela Galp, TMN, MCA, Lusitania Seguros e Mitsubishi Motors.

Classificação após Rali de França: 1º Armindo Araújo, 108 pontos; 2º P. Flodin, 90; 3º H. Paddon, 82 (...)

armnintestterr10Armindo Araújo tem tido uma época muito profissional nos ralis, com testes e mais testes de preparação, que lhe permitem chegar às provas do PWRC com um ritmo competitivo muito alto. Os resultados falam por si e por isso, Armindo Araújo lá esteve em Itália, em Ligúria, arredores de Génova, numa sessão de testes com o Mitsubishi Lancer Evo X com vista a preparar o derradeiro e decisivo rali da temporada.

O piloto português e a estrutura da Mitsubishi realizaram hoje mais de duas centenas de quilómetros com o carro já modificado para enfrentar o difícil terreno do GB Rali de Gales. "O carro foi totalmente revisto e alterado novamente para pisos de terra e era importante voltarmos a testar. Fizemos muitos quilómetros, ensaiamos alternativas ao nível de afinações e eu tive também a oportunidade de voltar a guiar num ritmo competitivo. A última prova do ano será crucial para chegarmos ao objectivo que traçamos e temos a plena noção que o desafio é enorme", começou por dizer o piloto de Santo Tirso.

Mesmo com uma vantagem pontual claramente favorável, Armindo Araújo tem plena consciência que nada está garantido. Preparar o caminho do título é por isso uma tarefa que se impõe e todos os pormenores poderão fazer a diferença. "Estamos muito confiantes e determinados em revalidar o título e é necessário chegar à Grã-Bretanha com o trabalho de casa feito. Sabemos que podemos ser vítimas de qualquer problema inesperado, mas do que depender do nosso esforço e dedicação, garantidamente, estaremos a cem porcento", concluiu o piloto apoiado pela Galp, TMN, MCA, Lusitania Seguros e Mitsubishi Motors.

O GB Rali de Gales será disputado entre os dias 11 e 14 de Novembro, sendo Cardiff a cidade escolhida para acolher toda a caravana no Campeonato do Mundo de Ralis.

sousfranca10Terminou o Rali de França. Bernardo Sousa e Nuno Rodrigues da Silva alcançaram mais seis pontos fruto da sétima posição conquistada no dia de hoje. No quadro de honra do pilotos do S-WRC, Bernardo soma 32 pontos em seis provas disputadas na classe S2000.

Ainda assim, um balanço que não satisfaz de todo o actual líder do Campeonato de Portugal de Ralis, muito menos a sétima posição em terras gaulesas. "O sétimo lugar não é bom. Sabe a pouco, tanto mais quando nestes dois últimos dias do rali, realizamos tempos muito positivos, muito acima deste lugar que obtivemos na classe, mas os ralis são mesmo assim... com algumas contingências..."

Fala do percalço da sexta? "É obvio que não fosse o toque na sexta-feira e certamente estaríamos aqui a ter outro discurso. Seja como for, na minha opinião, este lugar não corresponde ao valor na nossa equipa. De qualquer das formas, nem tudo foi mau. Deu para conhecer muito mais o comportamento do carro neste tipo de piso, o que poderá ser muito importante para o futuro" começou por comentar a sua participação no final da nona prova pontuável para o WRC.

Hoje, a última etapa reservava apenas quatro especiais, duas das quais muito curtas com quatro quilómetros que não deu margem suficiente para galgar terreno. "Já sabíamos disso. Optamos para fazer mais algumas experiências no ajustamento do carro e rodar o máximo possível", confidenciava, não esquecendo de agradecer novamente o apoio da Ford, PT Negócios, Eni, MMM Gift Card, DeltaQ, Cision, Beta, Specialized, QF,2Q e Pirelli. "Só posso estar grato aos meus sponsors. Têm sido enormes no apoio. Estou profundamente agradecido a todos eles sem excepção".

RALIS ONLINE TV