faceralis

 

posvendaclick

Eventos

kiaAtenta às necessidades do mercado e aos desejos e anseios dos pilotos, a organização do Kia Picanto GT Cup procedeu a alterações no calendário desportivo inicialmente divulgado. Às provas nos circuitos de Braga, Estoril, Portimão e Vila Real juntam-se as rampas da Falperra e do Caramulo, integradas nos campeonatos nacionais de Velocidade e Montanha, abdicando a organizam das provas de ralis.

Os ralis não foram, no entanto, esquecidos, com a Kia Portugal e a CRM Motorsport a juntarem esforços na criação de um pacote técnico que permitirá ao Kia Picanto GT Line ser homologado como viatura R1B. Os pilotos que já manifestaram o seu interesse neste kit poderão, deste modo, participar no Campeonato Nacional de Ralis e certificarem-se de que terão um carro vencedor na categoria.

Homologação R1B

"Por outro lado, a criação de um kit de ralis com homologação R1B permitirá que o Kia Picanto GT Line utilizado no troféu seja encarado como uma solução competitiva por uma importante fatia de pilotos unicamente interessada nesta modalidade e que não se reviam no programa inicialmente proposto", conclui o responsável da marca.

Ciente da relevância deste novo quadro desportivo, também Tiago Raposo Magalhães acredita que as mudanças operadas só vieram reforçar o interesse na competição:

"Após termos recebido inúmeros contactos de pilotos interessados em participar no Kia Picanto GT Cup, mas que, por motivos distintos, não se encontravam plenamente satisfeitos com o calendário desportivo anunciado, optámos, em conjunto com a Kia Portugal, pela sua reformulação. O novo programa reúne o maior equilíbrio entre o interesse desportivo e mediático definido à partida, e reduziu ainda mais os custos de participação no troféu", explica o responsável da CRM Motorsport.

"Do mesmo modo, o desenvolvimento e disponibilização de um kit de ralis demonstra a abrangência do Kia Picanto GT Cup e ainda o desejo da organização em torná-lo o mais versátil possível, caso único no atual quadro do desporto motorizado português", sublinha o promotor do mais recente troféu monomarca do automobilismo nacional.

"Pelo trabalho que se encontra a ser realizado na transformação do Kia Picanto GT Line para troféu, estamos certos de que a versão de ralis pesará menos do que os 1030 kg a que obriga o regulamento, o que nos permitirá assegurar uma melhor distribuição do conjunto. Junte-se a isso as indicações do propulsor, e o investimento efetuado no reforço da estrutura da carroçaria, e temos todos os motivos para estarmos confiantes na qualidade do resultado final", salienta João Seabra.

 

Mais abrangente

As alterações realizadas acabam por tornar o Kia Picanto GT Cup ainda mais inclusivo, convidando miúdos e graúdos a juntarem-se aos mais de vinte pilotos que já confirmaram a sua presença no novo troféu nacional com apoio oficial da FPAK, e abrindo caminho para que outros jovens ou veteranos possam exprimir o seu desejo pela competição, por intermédio dos ralis:

"Desde o início deste ambicioso projeto que a intenção da Kia Portugal foi sempre a de criar as melhores condições para o surgimento de novos talentos do automobilismo nacional. Mas também para que pilotos mais experientes, ou entusiastas que até aqui nunca tivessem tido contacto com o desporto motorizado, pudessem fazê-lo através do Kia Picanto GT Line desenvolvido para o Kia Picanto GT Cup", refere João Seabra, diretor-geral da Kia Portugal.

"Acredito que o novo calendário e alterações efetuadas reforçarão o interesse evidenciado à partida no troféu, mas também no carro de competição que se encontra a ser desenvolvido em parceria com a CRM Motorsport. No plano competitivo, as provas de velocidade e de montanha definidas para este primeiro ano do Kia Picanto GT Cup colocarão certamente em evidência a destreza ao volante de todos os concorrentes, bem como as suas apetências comunicacionais, em eventos tradicionalmente marcados pela enorme adesão do público e enquadrados em calendários desportivos internacionais. São disso exemplo as rampas da Falperra e do Caramulo, tal como a passagem pelo circuito de Vila Real", acrescenta.

Primeiro contacto em Fevereiro

Além do apoio da Kia Portugal e da CRM Motorsport, muitos são os parceiros portugueses que têm contribuído para o desenvolvimento da versão de competição do Kia Picanto GT Line — um trabalho determinante para o sucesso da implementação do Kia Picanto GT Cup como o mais relevante troféu monomarca do desporto motorizado nacional.

O rigoroso programa de atividades definido à partida tem sido escrupulosamente cumprido dentro do tempo previsto, reforçando, desta forma, as opções técnicas que foram delineadas no início do projeto.

"Não posso deixar de manifestar o meu especial agradecimento a todos os que se juntaram a nós neste projeto e têm contribuído para fazer do Kia Picanto GT Line um grande carro de competição. Deixa-nos particularmente orgulhosos o facto de se tratarem de empresas portuguesas que espelham o que de melhor se faz internamente no departamento da competição automóvel", destaca João Seabra.

Os dois protótipos que se encontram desde 3 de janeiro a serem construídos terão o seu primeiro contacto com a pista a 7 de fevereiro, no traçado do Circuito do Estoril, durante um teste privado organizado conjuntamente pela Kia Portugal, a CRM Motorsport e restantes parceiros.

cursoQuer ser navegador de ralis? Agora já pode receber formação específica para a função de co-piloto nos ralis, num curso vocacionado quer para iniciados na modalidade quer para atuais navegadores que queiram reforçar os seus conhecimentos. A ação decorre nos próximos dias 27 e 28 de janeiro, em Vieira do Minho, e a iniciativa é coordenada pelo conceituado navegador Jorge Henriques.

O 1º Curso Ibérico de Co-Pilotos de Ralis pretende preencher uma lacuna na formação de navegadores em Portugal e Espanha, apostando num programa de dois dias, com uma vertente teórica no sábado, dia 27 de janeiro, e uma sessão prática no domingo, dia 28 de janeiro, ao lado de um piloto de ralis num veículo de competição.

A iniciativa foi criada por Jorge Henriques, um dos mais conceituados navegadores portugueses de ralis, que terá a seu lado mais dois formadores com provas dadas: o português Paulo Silva e o espanhol Cándido Carrera, que nos últimos anos competiu no WRC2 e no ERC ao lado do piloto oficial da Peugeot Rally Academy, José Antonio Suárez.

A componente teórica versará sobre todos os aspetos fundamentais para a ação do co-piloto, desde os regulamentos até às medidas de segurança, passando pela preparação das provas, logística, reconhecimentos, sistema de notas, etc. No dia seguinte, os alunos do curso poderão colocar em prática os ensinamentos recolhidos, disputando um troço de asfalto em Vieira do Minho.

"Já tinha este projeto em mente há muito tempo", refere Jorge Henriques, que se prepara para completar 20 anos de carreira. "Hoje em dia há muita gente que me pergunta como é que se pode tornar navegador de ralis e, sinceramente, eu gostava de ter tido uma formação deste género quando comecei em 1998. Normalmente, as pessoas começam a entrar na modalidade por gosto e por iniciativa própria mas depois a aprendizagem é empírica, vai acontecendo com a experiência. Neste curso pretendemos transmitir conhecimento de forma profissional e sistematizada, ajudando quer as pessoas que nunca tiveram contacto com a função, quer navegadores que já tenham alguma experiência e queiram evoluir os seus conhecimentos. Além disso, como este curso tem um caráter ibérico, permitirá a pessoas vindas de Portugal e Espanha conhecerem a realidade dos ralis nos dois países. Há uma linguagem universal nos ralis mas também há pormenores específicos de cada país, de cada campeonato, e isso pode fazer a diferença no trabalho do navegador."

Jorge Henriques também refere que "o grande objetivo deste curso é lançar novos valores no mercado dos navegadores. Os melhores alunos do curso serão integrados numa base de navegadores e no futuro poderão ser recomendados a pilotos que nos solicitem opinião".

Os interessados no 1º Curso Ibérico de Co-Pilotos de Ralis poderão obter informações e/ou fazer a sua inscrição através do email Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar . O curso terá um número máximo de 25 participantes e a inscrição no evento inclui o almoço do dia de sábado.

A iniciativa conta com o apoio da Câmara Municipal de Vieira do Minho, do Motor Clube de Guimarães e da QF.

arcbalCom um historial repleto de sucessos, onde se contam vários títulos nacionais absolutos e em diversas categorias, a ARC Sport viveu a época que agora termina a um ritmo extraordinariamente agitado, mas com um balanço francamente positivo.

Toda a equipa de Aguiar da Beira está orgulhosa pelo seu longo percurso no desporto automóvel nacional, mas a época que agora termina, acabou por ser muito rica e produtiva em termos da experiência alcançada, que serve de base para um trabalho futuro.

VICE-CAMPEÕES DA EUROPA DE RALIS COM BRUNO E HUGO MAGALHÃES

O Campeonato da Europa de Ralis, que a ARC Sport disputou na totalidade com Bruno e Hugo Magalhães, num Skoda Fabia R5, chegando ao título de vice-campeões da Europa, foi gratificante e muito positivo. "Foi uma experiência muito enriquecedora, ainda mais porque lutámos até ao fim pelo título de Campeões da Europa. Num campeonato com provas tão diversificadas, chegar ao último rali a discutir o título foi fabuloso. Foi devido ao empenho de todos que conseguimos alcançar o vice-campeonato, um resultado que todos consideramos fantástico", disse Augusto Ramiro. Ainda durante o ERC de 2017, a ARC Sport esteve ao lado da dupla espanhola formada por Emma Falcón e Rogelio Peñate, com a piloto proveniente das Canárias a evidenciar excelentes indicadores competitivos para um futuro promissor.

RALIS EM MUITAS FRENTES

O Campeonato Nacional de Ralis é um palco privilegiado para a ARC Sport, que já conquistou por três vezes o titulo absoluto com Ricardo Moura e António Costa, para além de diversos títulos em outras categorias. Em 2017 acompanhou Joaquim Alves e Luís Ramalho no Ford Fiesta R5, com o piloto de Cesar a demonstrar sempre uma evolução notável. "Foi bastante gratificante assistir à evolução conseguida pelo Joaquim Alves que, de prova para prova, mostrou sempre um salto qualitativo notável na adaptação à condução do Fiesta. Esperamos ansiosamente pelo seu regresso", comentou Augusto Ramiro. Ainda em provas do CNR, a ARC Sport esteve ainda ao lado de Paulo Caldeira e Ana Caldeira nas participações positivas com um Mitsubishi Lancer Evo IX. Uma nota de destaque ainda para as participações de António Costa, que trocou o papel de navegador pelo de piloto, tanto com um Renault Clio R3, como com um Mitsubishi Lancer Evo IX.

Se no ERC a equipa alcançou o vice-campeonato, no Troféu Ibérico Clio R3 T, a equipa de Aguiar da Beira também festejou com Aloísio Monteiro a alcançar o título de vice-campeão. Um resultado muito positivo para toda a equipa e para o piloto, que durante a época foi navegado por nomes de prestígio como António Costa, Hugo Magalhães e Sancho Eiró.

A ARC Sport tem uma ligação profunda ao Campeonato de Ralis dos Açores. Este ano revalidou o título açoriano com Ricardo Moura e Sancho Eiró, num campeonato muito mais disputado, o que acaba por ser ainda mais gratificante. Ricardo Moura alcançou pela 10ª vez consecutiva o título de Campeão de Ralis dos Açores. Ainda nos Açores, a ARC Sport esteve presente no Rali Sical na ilha Terceira, apoiando Tiago Azevedo na sua estreia ao volante de um Skoda Fabia R5.

A época de 2017 que agora termina, foi na verdade muito movimentada e gratificante para toda a equipa da ARC Sport, com Augusto Ramiro a fazer um balanço deveras positivo, durante um ano muito movimentado e diversificado.

A equipa de Aguiar da Beira regozija-se ainda com a nomeação feita pela FPAK para o prémio EQUIPA DO ANO para a Gala do Desporto, organizada pela Confederação do Desporto de Portugal, que se irá realizar no próximo dia 17 de janeiro.

A ARC Sport sublinha ainda a proposta positiva por parte da FPAK, em relação ao Campeonato Nacional de Ralis de 2018, sugerindo agrupar as provas de terra e asfalto, não existindo assim o desgaste evidente causado pela mistura de pisos de terra com asfalto.