facebook

 

posvendaclick 

Açores

sicallogo18Inscritos Rali Sical 2018. Segunda prova do Campeonato de Ralis dos Açores que se realiza dia 20 e 21 de abril, na Ilha Terceira.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

sicalinscritos18

gustavoO piloto terceirense, seis vezes campeão açoriano, e que estava retirado há cerca de oito anos, vai assim comemorar os 25 anos da sua primeira participação oficial nos ralis, ocorrida em 1993 quando, aos 19 anos de idade, correu o Rali Sical com um Renault 5 GT Turbo - que ostentava o número 19 -, vencendo a prova com 19 segundos de vantagem sobre Luís Pimentel.

"Foi-me feita uma abordagem pela Clubauto e pelo João Paim e, como a empresa também comemora os seus 25 anos, o que começou numa conversa de brincadeira, acabou neste projeto que me vai levar, a mim e ao Jorge Diniz, que é meu primo e um excelente navegador, a correr o 37º Rali Sical", afirmou o antigo campeão.

Gustavo Louro destaca, "o apoio imediato que a Clubauto deu, e a dedicação demonstrada nas últimas semanas, assim como as condições proporcionadas pelo Rui Torres - o proprietário do carro -, que foi um grande amigo, pelo que reunimos condições irrecusáveis para estar na estrada no próximo dia 20", disse.

"O carro que vamos usar é basicamente um Mitsubishi de grupo N com uma carroçaria Ford Fiesta tipo-WRC, mas mais leve e com uma caixa sequencial, que penso será um bom compromisso para este regresso", acrescenta Louro, ciente de que "é impossível chegar aos R5, mas são as condições que teremos para correr sem pressões, esperando terminar a prova. E acho que, no final, poderemos ter uma classificação interessante", referiu.

Ainda sobre a parte competitiva da prova do Terceira Automóvel Clube, Gustavo mostra-se ciente de que, "depois tanto tempo parado, naturalmente o ritmo é diferente, mas estou muito motivado e feliz por poder voltar a correr", confessa.

A sua presença no 37º Rali Sical será, certamente, um chamariz para levar ainda mais público à estrada, factor a que o antigo campeão reage assim: "Ainda bem, e espero que haja muita gente na estrada. Vou tentar fazer o meu melhor, e dar algum espetáculo, que foi sempre a forma como gostei de estar neste desporto", concluiu.

A 37º edição do Rali Sical corre-se nos próximos dias 20 e 21, encerrando nove classificativas em asfalto, que totalizam cerca de 90 quilómetros cronometrados. O evento é o segundo a pontuar para o Campeonato dos Açores de Ralis, abrindo ainda a terceira edição do Troféu de Ralis de Asfalto-Açores.

sousaA Play/Autoaçoreana Racing comunica a todos os interessados no desporto automóvel, que os irmãos Ruben e Estevão Rodrigues fizeram a opção de não prosseguir ao volante do DSR R5 da Play/Autoaçoreana Racing por motivos profissionais.

Face e esta situação, a Play/Autoaçoreana Racing anuncia que quem passará a pilotar a viatura da equipa no Campeonato de Ralis dos Açores será Bernardo Sousa.

Bernardo Sousa é também um jovem piloto, ilhéu, com um enorme potencial, comprovado ao longo da sua já rica carreira, que inclui, entre outras uma vitória no Sata Rali Açores e por exemplo a disputa do Campeonato Mundial de Ralis Junior e do WRC2, já se tendo sagrado campeão nacional, experiência esta que permite uma rápida transição, a escassas duas semanas do Azores Airlines Rallye.

É uma aposta forte, desafiante que seguramente contribuirá para aumentar o entusiasmo, expectativa e animação das nossas provas e dos amantes do desporto automóvel que acompanham de perto este fenómeno.

COMUNICADO Ruben e Estêvão Rodrigues

É com pena e tristeza que anunciamos que decidimos abandonar o projecto da Play/Autoaçoreana Racing.
Foi uma decisão ponderada e tomada após muita reflexão, pois estamos a desistir de um sonho de longa data. Fazemo-lo por motivos pessoais e empresariais.
Por não querermos desapontar os nossos patrocinadores, que nos deram esta oportunidade, em consciência considerámos que prescindir da nossa posição é a única opção.
A experiência que tivemos foi extraordinária em todos os sentidos e jamais a esqueceremos.
Queremos transmitir o nosso profundo agradecimento aos nossos patrocinadores, Auto Açoreana, Fábrica de Tabaco Micaelense, ETE Logística e Transinsular. Também um agradecimento à Sports and You e a todos os seus responsáveis. Muito obrigado a todas as pessoas que nos apoiaram nesta aventura, família, amigos e quem nos incentivou nos troços das ilhas açorianas.
Não deixaremos o desporto automóvel, pois é algo que faz parte de nós, porém de uma forma menos intensa, para quem sabe, um dia regressarmos a um projecto com a grandeza do Play/Autoaçoreana Racing.

moura(POR RICARDO NASCIMENTO)
 
Apesar da proximidade do furacão Ophelia, o derradeiro evento do Campeonato Açores 2017, foi para a estrada para se encontrar o campeão da temporada. Choveu muito durante a madrugada e manhã de sábado, fazendo com que alguns troços ficassem com muita água, especialmente, o segundo do dia, hoje disputado.
 
Ricardo Moura necessitava de vencer o rally e mais seis especiais para renovar o título. O piloto atacou forte na chuva, apesar de ter entrado alguma água para o interior da viatura, provocando embaciamento do pára-brisas e dificultar a visibilidade. Mesmo assim, Moura foi o mais rápido na super especial e nas especiais matinais, terminando a segunda secção já com 1 minuto de vantagem para o segundo classificado. À tarde, voltou a vencer mais duas especiais e ganhar mais 17s de vantagem e a vitória no rally, conseguindo obter desta forma, o décimo título consecutivo por uma margem muito curta nas contas finais.
 
Iniciando o rally como líder do campeonato, Luís Rego não se sentiu confortável nos pisos molhados nem com os seus pneus, perdendo muito tempo durante a manhã. Sem a chuva na derradeira secção, Rego melhorou a sua performance e os tempos começaram a surgir, vencendo os dois derradeiros troços e terminar em segundo, mas não chegou para vencer o seu primeiro campeonato.
 
Tiago Azevedo voltou a estar presente em mais um rally com o Fabia R5. O piloto da ilha Terceira perdeu preciosos segundos na duas primeiras especiais para o mais rápido, mas melhorou consideravelmente nas segundas passagens, chegando mesmo a ultrapassar Rego no final da segunda secção. À tarde, envolveu-se numa grande luta com Luís Rego ao segundo, entrando para o derradeiro troço com uma vantagem de 0,8s para Rego, mas acabou por fazer um pião e perder cerca de 20 segundos e não ir além da terceira posição.
 
Rúben Rodrigues fez o segundo tempo na super especial na noite sexta-feira, mas logo no primeiro troço da segunda secção, foi vítima de aquaplaning acabando por sair de estrada para dentro de um pasto por cima de um muro de pedra. O carro teve poucos danos, mas a dupla não conseguiu regressar à estrada por não ter saída do pasto em que ficou preso.
 
Pedro Lança dominou entre os carros de duas rodas motrizes desde o inicio e também entre os VSH. A dupla continental conseguiu destacar-se na chuva, apesar de utilizar pneus intermédios e de ter partido um amortecedor no final da manhã. O piloto de Sines geriu muito bem a sua vantagem à tarde, conseguindo terminar numa brilhante quarta posição final.
 
Bruno Tavares terminou a segunda secção na sexta posição, mas sem a chuva nos troços à tarde, imprimiu um bom andamento mesmo com o carro a falhar, conseguindo subir à quinta posição por troca com Paulo Santos que marcou presença com o Subaru que já foi de Pedro Vale. Com este resultado, Tavares obteve um merecido título na classe VSH.
 
Rafael Botelho queixou-se de problemas estranhos durante a manhã, com o carro a desligar-se nas zonas com muita água e de algum sobreaquecimento no motor do DS3. À tarde e com os pisos a secar, o campeão das duas rodas motrizes recuperou tempo, conseguindo subir algumas posições, mas não foi além da sétima posição.
 
João Faria fez um bom rally após ausência nas últimas provas, destacando-se nos pisos molhados, mas à tarde, o seu Peugeot 206 não teve argumentos para segurar a sétima posição, contra o mais atual DS3 de Botelho.
 
João Correia terminou o rally na nona posição e segundo no campeonato na categoria VSH, com pouco mais de 20 segundos de vantagem para Marco Soares que perdeu muito tempo durante a manhã com pneus de piso seco. O piloto de São Miguel chegou a pensar em parar devido às péssimas condições atmosféricas, mas no último rally de despedida do seu navegador Tomás Vultão, a dupla conseguiu recuperar na derradeira secção e subir ao top 10, à frente de Mário Jorge, o melhor piloto local com uma viatura diesel.
 
VENCEDORES DE TROÇOS:
Ricardo Moura (7); Luís Rego Jr. (2)
LÍDERES DO RALLY:
Ricardo Moura (SS1 a 9)
 
6º PICO PLAY AUTO AÇOREANA RALI
1º 1 Ricardo Moura / Sancho Eiró (P) Ford Fiesta R5 45:39,7
2º 2 Luís Rego Jr. / Jorge Henriques (P) Ford Fiesta R5 +01:17,3
3º 5 Tiago Azevedo / Mário Castro (P) Skoda Fabia R5 +01:37,9
4º 14 Pedro Lança / Paulo Marques (P) Citroën Saxo CUP +06.09,9
5º 8 Bruno Tavares / Pedro Castro (P) Peugeot 205 Mi16 +06:34,1
6º 12 Paulo Santos / André Barras (P) Subaru Impreza STI N12 +06:41,3
7º 4 Rafael Botelho / Nuno Rodrigues (P) Citröen DS3 R3T +07:17,2
8º 6 João Faria / António Olas (P) Peugeot 206 RC +07:59,5
9º 9 João Correia / Paulo Jesus (P) Peugeot 106 XSI +11:34,2
10º 10 Marco Soares / Tomás Vultão (P) Citröen Saxo CUP +11:56,9
 
PRINCIPAIS ABANDONOS:
3 Rúben Rodrigues / Estêvão Rodrigues (P) Citroën DS3 R5 (acidente na SS2)
7 Carlos Andrade / Tomás Pires (P) Renault Clio R3 (avaria elétrica após SS3)