faceralis

 

WEBINAR Prancheta-1-copia-6

CPR

appaComunicado APPA

Caros Associados, Adeptos e Amantes do Automobilismo,

Estamos todos a atravessar um momento muito difícil nas nossas vidas e particularmente no nosso desporto. O presente é incerto e o futuro mais ainda.

A dois dias da primeira prova de estrada em período de pandemia, queremos deixar claro o nosso apreço pelo trabalho desenvolvido pelo Presidente da FPAK, Ni Amorim, ao conseguir criar condições para a reactivação das competições em Portugal. Sabemos que foi um grande esforço, acarretando um grande risco.
Importa também realçar a coragem da Escuderia Castelo Branco ao ser os primeiros a organizar uma prova de estrada neste difícil contexto. Conhecendo a capacidade da Escuderia, estamos certos de que serão o padrão para as seguintes provas.

Todos nós sabemos de que o risco é grande e devemos todos (pilotos, equipas e adeptos), ter a clara noção que do nosso comportamento vai depender o futuro. É muito fácil correr mal.

O nosso comunicado pretende chamar a atenção para este facto, pedindo a auto-responsabilização de todos, para que possamos continuar a ter desporto em 2020 e uma melhor perspectiva para 2021. O cenário de uma paragem forçada ainda mais prolongada, traria consequências inimagináveis para o nosso Desporto e todas as estruturas que o integram.

Estamos convictos de que todos iremos estar à altura do esforço que foi feito para colocar esta prova na estrada. É muito importante que estejamos unidos neste objectivo.

Saudações desportivas.

Pelo Desporto Automóvel,

A APPA

leoneRealiza-se nos dias 4 e 5 julho o Rali de Castelo Branco, segunda prova pontuável para o Campeonato de Portugal de Clássicos de Ralis ( CPCR), prova disputada em asfalto com um total de cerca de 313 kms dos quais 99,69 kms disputados ao longo de sete troços.

Após esta longa paragem imposta pela situação vivida em todo o país devido ao COVID-19, a equipa da Leone Racing Team composta por Pedro Leone e Bruno Ramos, regressam à estrada para disputar a segunda prova do campeonato " Esta paragem foi longa, forçada por toda a situação que se está a viver, mas estão garantidas todas as medidas de segurança para que possamos voltar e na verdade as saudades e a vontade é muita." comenta o piloto Pedro Leone.

Os objetivos inicialmente definidos pela Equipa da Leone Racing Team mantém-se vivos e por isso o que pretendem é conseguir a liderança do CPCR. Confiante Pedro Leone comenta: " Estamos parados há algum tempo, mas vamos confiantes de que podemos fazer uma boa prestação. Queremos ter um bom ritmo, não cometer erros, e se possível chegar ao fim do rali, conseguindo assim uma boa posição".

O Rali de Castelo Branco, organizado pela Escuderia de Castelo Branco, prevê várias medidas de segurança para as equipas e público, pelo que a equipa da Leone Racing Team aproveita para reforçar esta importante questão, pedindo que se cumpram as medidas impostas, pela segurança de todos e pela continuidade das provas. A finalizar Bruno Ramos comenta: " É mesmo muito importante que todos sejamos cumpridores das regras e assim garantir a continuidade dos Ralis neste contexto...na verdade é que até já sentimos falta do cheiro da gasolina".

Todas as informações sobre a participação da equipa vão estar disponíveis na página do Facebook da Leone Racing Team.
O projecto de 2020 da Leone Racing Team, conta com o apoio da Wurth, Grupo 8, Galp Formula, Santogal, Tintauto, PPG, Cometil, By Wash, Fronti, NormaJean, Publicom e Ford Omnicraft.

fontes.cb20jpgO Citroën Vodafone Team está de regresso à atividade, finda uma quarentena de mais de quatro meses e que resultou em alterações no calendário do Campeonato de Portugal de Ralis 2020. É com enorme expectativa que se aguarda este regresso da competição, naquele que é um dos mais importantes campeonatos de automobilismo no nosso país, numa prova de asfalto que é muito do agrado da equipa que defende as cores da Citroën e da Vodafone. José Pedro Fontes e Inês Ponte voltam a juntar-se para tripular o Citroën C3 R5 e o piloto portuense assume que o seu objetivo é repetir os triunfos de 2014, 2015 e 2017.

Focados num regresso de grande nível, José Pedro Fontes e Inês Ponte têm vindo a preparar afincadamente a presença em Castelo Branco. Parte do trabalho passou por não perder ritmo de exigência física ao longo destes quatro meses, e, por outro lado, pela preparação do Citroën C3 R5 com que a dupla vai apresentar-se nos troços albicastrenses. José Pedro Fontes mostra-se, acima de tudo, "muito contente por voltar a competir e espero, paralelamente, que o Rali de Castelo Branco seja um bom exemplo de que o regresso do Campeonato faz sentido, que são levadas a cabo todas as regras sanitárias e que é seguro para todos os envolvidos no rali. Daqui poderão sair padrões importantes para as restantes provas e, portanto, espero que tudo corra da melhor maneira."

Adicionalmente o piloto refere que "este é um rali de que gosto bastante e todos estamos a par dos resultados que aqui temos conseguido alcançar, nomeadamente com o nosso anterior carro. Quero voltar a vencer e Castelo Branco parece-me um palco ótimo, num campeonato muito diferente daquele que inicialmente preparámos. Todavia, as nossas metas não foram afetadas pela pandemia. Estamos a postos, trabalhámos muito durante o período de paragem para reunir todas as condições que nos permitam lutar pelo triunfo numa temporada que, para nós, é um recomeço... Para nós, nada mudou, apenas as datas!"

REGRESSO EM CASTELO BRANCO

Este aguardado regresso do Campeonato de Portugal de Ralis levará as equipas até à Beira Baixa, para realizar o Rali de Castelo Branco (asfalto). A prova levada a cabo pela Escuderia local corre-se na tarde do dia 4 (sábado) e no domingo, dia 5, com um total de 7 especiais e cerca de 100 quilómetros ao cronómetro. Este ano, sem a habitual Super Especial noturna no centro da Cidade de Castelo Branco, a prova terá uma primeira etapa com apenas três especiais: Vila Ruivas 1 e 2 (16,31 Km) e Foz do Cobrão (14,67 Km). Para domingo estão agendados quatro troços que são, afinal, duplas passagens por Dáspera/Sesmo/Salgueiral (12,24 Km) e Santo André das Tojeiras (13,96 Km)

PROGRAMA DO RALI DE CASTELO BRANCO

Sábado, 4 de julho

16h21 - Vilas Ruivas 1 - 16,31 km

17h19 - Foz do Cobrão - 14,67 km

18h12 - Vilas Ruivas 2 -16,31 km

Domingo - 5 de julho

10h48 - Dáspera - Sesmo - Salgueiral 1 - 12,24 km

11h24 - Sto. André das Tojeiras 1 - 13,96 km

14h36 - Dáspera - Sesmo - Salgueiral 2 - 12,24 km

15h09 - Sto. André das Tojeiras 2 - 13,96 km

castelobrancoplacaTroços e horários Rali de Castelo Branco 2020 - Campeonato de Portugal de Ralis e Campeonato Centro de Ralis.

castelobrancocpr20castelobrancoccr20

208«É tempo de recomeçar tudo de novo e voltar ao ponto de partida.» É desta forma que Pedro Almeida e Hugo Magalhães olham para o retomar da competição, que acontece no próximo fim de semana em Castelo Branco.

A dupla vai ter ainda esta semana o primeiro contacto com o novo carro – o Peugeot 208 Rally4 – uma estreia absoluta do carro em competição e por isso tudo será novo. «Foi uma longa paragem, há as condições excecionais da corrida em resultado da pandemia e há um novo carro, onde ainda não fizemos quilómetros e que vamos ter de rapidamente nos adaptar para fazer o rali» começou por dizer o piloto de Famalicão.

«Desde final de fevereiro que estamos sem competir e embora eu e o Hugo nos tenhamos preparado com algum trabalho físico e especifico, vai ser sempre uma corrida de expectativa e de perceber o que pode dar o rali conforme ele vai decorrendo». Pedro Almeida e Hugo Magalhães vão testar o novo Peogeot 208 Rally4 esta quarta-feira, um primeiro contacto que será crucial para perceber que afinações podem ser feitas para Castelo Branco. «O carro chega esta semana e vamos fazer um teste e analisar com os engenheiros da The Racing Factory o que é possível fazer em termos de setup. Já sabemos que será uma adaptação progressiva e que apenas depois de se iniciar a contagem do cronómetro vamos conseguir perceber o ritmo que podemos imprimir» diz Pedro Almeida.

Castelo Branco marca o regresso do Campeonato de Portugal de Ralis, depois da interrupção do calendário após o Rali Serras de Fafe. «Tivemos de reformular tudo o que havíamos planeado. Vamos fazer os quatro ralis da Peugeot Iberian Cup, as provas do calendário nacional e depois vamos ainda incluir a participação no Rali da Calheta e fazer o Rali de Roma e dos Açores, que pontuam para o ERC. Pedro Almeida diz que o principal objetivo é o de elevar o nível competitivo. "Tinhamos definido esta temporada a realização de um conjunto de provas para somar experiências de condução. Serão bem menos que tudo o que tínhamos programado mas vamos aproveitar para tirar o máximo partido das provas que podemos realizar».