faceralis

 

posvendaclick

nissanralisA Nissan Ibéria - Portugal e cinco duplas de pilotos desenvolveram para o Rali de Portugal Histórico um inédito projecto, designado por Nissan Heritage.

 

Depois de na década de 70 terem somado sucessos um pouco por todo o mundo, tornando-se dos modelos mais emblemáticos da história dos ralis, os 240Z, 1800 SSS, 1600 SSS e 1200 estão de regresso à competição. Com a responsabilidade acrescida de terem também já um legado recente a defender, depois da vitória de um 240Z há quatro anos, naquela que foi a primeira edição do Rali de Portugal Histórico. Talvez por isso as cores da Nissan sejam das mais representadas numa extensa lista que reúne 111 inscritos.

A prova delineada pelo ACP promete transportar-nos para os saudosos momentos vividos há algumas décadas, já que para além do percurso prever a passagem por algumas das míticas classificativas das regiões de Sintra e Arganil (ainda hoje consideradas autênticas "catedrais" dos ralis), o Rali de Portugal Histórico é um exclusivo de viaturas fabricadas entre o dia 1 de Janeiro de 1946 e 31 de Dezembro de 1982.

Salutares momentos de nostalgia em perspectiva, mas também de emoção e competitividade. Afinal, mais de uma centena de equipas vão lutar pelas melhores posições, com a particularidade de dois terços dos participantes não serem portugueses. Entre as equipas nacionais, natural destaque para a estreia do Nissan Heritage, formação que conta com o apoio da marca e que integra cinco duplas:

Nº Piloto/Co-piloto Modelo Data
36 Aníbal Rolo/António Caldeira Datsun 1600 SSS 1971
41 Victor da Costa /João Botequilha Datsun 1200 1972
42 António Magalhães/António P.Magalhães Datsun 1200 1972
50 Rui Bevilacqua/Joana Queiroz Datsun 1800 SSS 1972
64 Manuel Romão/Ivo Tavares Datsun 240Z 1973

Um projecto com contornos algo inéditos, já que na sequência do envolvimento da Nissan Ibéria - Portugal, estas cinco duplas vão ser inscritas pela equipa Nissan Heritage, com pormenores de imagem comuns a todas as formações.

As ambições da equipa passam, acima de tudo, por defender a imagem de uma marca que é uma das mais emblemáticas do automobilismo nacional nas principais modalidades: desde o Troféu Datsun – o primeiro troféu organizado em Portugal – na velocidade, passando pelos ralis – quem não se lembra do Troféu Micra? – e terminando no Todo-o-terreno, com o Troféu Terrano II, mas também com as formações oficiais das pick-ups Nissan Trident e mais tarde das Navara e Terrano II Vitamina R.

Em função da experiência e palmarés, sobre Aníbal Rolo recaem as maiores esperanças de um bom resultado da equipa Nissan Heritage. Mas, igualmente, a seguir com atenção as participações de João Botequilha e António Magalhães com os incontornáveis Datsun 1200, de Rui Bevilacqua (nome bem conhecido do automobilismo nacional, com várias vitórias como co-piloto) e de Manuel Romão, outro nome forte, a vários níveis, da história dos automóveis em Portugal.

O Rali de Portugal Histórico disputa-se entre os próximos dias 12 (terça-feira) e 17 de Outubro (domingo). Cinco dias de competição e outras tantas etapas, num total de 1.700 quilómetros e 44 provas especiais de classificação integralmente disputadas em pisos de asfalto. Apesar de, na sua génese, ser de regularidade, a prova vai obrigar os pilotos a imprimir um andamento bastante vivo, em tudo idêntico a uma vulgar prova de ralis, pois só assim conseguirão evitar penalizações excessivas.

Não lhe é permitido comentar.