faceralis

 

posvendaclick

correimorA dupla Miguel Correia / Pedro Alves tem sido uma das grandes surpresas do Campeonato de Portugal de Ralis em 2019, na época em que fazem a estreia absoluta com um veículo da categoria R5. Rali de Mortágua é o próximo passo na evolução do piloto de Braga.

O quinto lugar absoluto que ocupa atualmente no Campeonato de Portugal de Ralis é apenas um indicador do excelente início de época de Miguel Correia, que cumpre apenas a sua segunda temporada nos ralis e a primeira ao volante de um Ford Fiesta R5.

Acompanhado pelo navegador Pedro Alves, o jovem piloto bracarense esteve em destaque no último Azores Rally, onde conseguiu o 4.º lugar da geral do CPR e um pódio inédito no Campeonato da Europa FIA de Ralis Júnior (ERC1 Júnior), mostrando mais uma vez o seu potencial.

"Ainda estamos numa fase de aprendizagem com o R5 mas confesso que as coisas saem de forma cada vez mais natural e vamos para Mortágua com outra confiança", admite Miguel Correia, que só disputou esta prova em 2018, ao volante do Renault Clio R3. "É óbvio que todos os pilotos querem andar o mais rápido possível, mas também não quero hipotecar o excelente trabalho que estamos a fazer, continuando a evoluir e a conhecer todas as reações do carro. Se nos sentirmos confiantes durante o rali, obviamente que vamos dar o nosso melhor e tentar atacar", afirmou o piloto que em 2018 se sagrou campeão nacional do Grupo RC3 e vencedor do FIA European Rally Trophy (ERT 3) e Iberian Rally Trophy (IRT 3).

Pedro Alves também destaca a curva de evolução com o Ford Fiesta R5. "O rali dos Açores foi um momento importante para nós, até porque o Miguel pôde aprender imenso com o carro em diferentes condições, algumas delas muito difíceis. Acredito que em Mortágua vamos dar outro salto qualitativo, sabendo que temos de gerir o nosso andamento da melhor forma, principalmente nas segundas passagens onde os troços costumam estar mais degradados. O rali tem algumas partes novas, o que até pode ser bom para nós. Estamos preparados e confiantes", referiu Pedro Alves.

Não lhe é permitido comentar.